- Início

- Conteúdo

Clima Organizacional: um índice mensurável de satisfação no trabalho

Coluna 187

Compartilhe Este Post

Como estará o clima organizacional no retorno das atividades operacionais?

Teremos apenas a continuidade dos fatos que ocorreram nos últimos seis meses, até a sua superação total. A vida não voltará ao ponto em que parou antes da pandemia. Os impactos psicológicos e econômicos aceleraram ou promoveram mudanças sociais irreversíveis, o que é absolutamente normal. Fatos são fatos, o que muda são as atitudes.

No cenário econômico, o recesso e alternâncias do mercado foi grande o suficiente para desmantelar planos estratégicos e metas estabelecidas para 2020. O eixo econômico mundial está abalado, não só pela Covid-19, mas pelas circunstâncias e consequências políticas imprevisíveis de que se reveste. A novela que envolve as maiores economias do mundo se desgarrou do enredo, e o final antes previsto mudou.

O tropeço, como já se sabe, provoca o avanço. As mudanças introduzidas às pressas no desenho operacional das empresas serão ajustadas para permanecer e evoluir muito mais ainda. Redução de jornada de trabalho, flexibilização nos contratos, home office, marketing e vendas por internet, entre outras coisas, serão o nome do jogo daqui por diante.

As empresas deverão revisar seus planos à luz dos novos cenários, “lamber as feridas” e seguir adiante. A direção geral da empresa deverá avaliar os prováveis cenários de mercado para 2021 em diante e elaborar novos planos estratégicos com a participação de todos os stakeholders, garantindo assim a aderência e engajamento de sua força de trabalho. Veja como no e-book “Planejamento e Gestão Estratégica” (saiba mais)

Para o RH, o verdadeiro desafio será motivar os colaboradores para gerar um clima organizacional de alto nível. O medo da contaminação pela Covid-19 será o estado emocional de muitas pessoas, prejudicando a normalidade do convívio social, seja no trabalho em grupo ou no atendimento público, causando angústia e constrangimento, mormente quando tenha ocorrido perda de pessoas próximas. A recuperação emocional dos colaboradores deverá ser iniciada desde já.

Para os próximos meses, motivar será o principal objetivo do RH. Os muitos anos de experiencia na gestão de pessoas me permitem fazer as seguintes sugestões:

1 – Contato telefônico enquanto durar o isolamento social e, na primeira oportunidade, contato pessoal com quem perdeu parentes ou pessoas próximas, manifestando solidariedade e apoio moral. Um e-mail ou mensagem pelo WhatsApp não terá a mesma força.

2 – Se necessário reduzir ou readequar a força de trabalho, elaborar um plano de demissão voluntária que estimule a saída dos mais jovens e com menos encargos sociais, ou daqueles que já tenham condições para se aposentar, embora oferecida a mesma opção a todos.

3 – Nos casos de dispensa, conduzir entrevista de desligamento agradecendo o período em que trabalhou na empresa, explicar as circunstâncias que levaram a tomar essa decisão e, se possível, oferecer suporte de outsourcing.

4 – Recomendar à Presidência a realização de uma conferência com os líderes e, divulgar virtualmente para expor a todos os funcionários os fundamentos dos novos planos e objetivos a vigorarem a partir de agora.

5 – Estimular a participação de todos na elaboração dos planos estratégicos de forma a que se sintam participes e comprometidos com a empresa.

6 – Realizar juntamente com os líderes e gerentes, reuniões com os diversos grupos operacionais para avaliar o clima organizacional, ouvir e dar atenção a todos.

7 – Na medida em que novas estratégias e objetivos sejam definidos, assegurar a divulgação, aderência, e a respectiva formalização do plano individual de desempenho para o próximo período.

O “Clima Organizacional” é o índice mensurável da satisfação da força de trabalho, produto de uma Liderança e Gestão Eficaz através da aplicação de princípios, valores éticos, normas e políticas claras e equânimes, programas de desenvolvimento pessoal e profissional, e ações que promovam a satisfação e o “orgulho em pertencer” ao grupo. Está sujeito a oscilações face à impactos internos ou externos ocasionais ou circunstanciais.

“Cultura Organizacional” é resultante da cristalização das políticas e normas organizacionais que produzem um espírito de corpo, identifica e une as pessoas, estabelece um padrão de comportamento observado nos hábitos, linguagem, crenças, e valores transmitidos coletivamente, tidos como características peculiares da organização, similar ao que ocorre a uma nação. A diferença é que as melhores pessoas não escolhem onde nascer, mas podem escolher onde trabalhar. Seus frutos são: harmonia, lealdade e engajamento total!

Por Vicente Graceffi, consultor em desenvolvimento pessoal e organizacional. É um dos colunistas do RH Pra Você. O conteúdo dessa coluna representa a opinião do colunista. Foto: Divulgação.

Você também vai gostar