- Início

- Conteúdo

10 estratégias de proteção psíquica em tempos de surto do COVID-19

Coluna 2046

Compartilhe Este Post

As mudanças de hábitos impostas pela pandemia do COVID-19 estão transformando a vida e as relações das pessoas. A rotina habitual deixou de existir, os planos foram interrompidos e o isolamento social se faz necessário. Muitos trabalham de casa por tempo indeterminado e precisam se adaptar a condições pouco favoráveis, conciliando as demandas profissionais, familiares e pessoais. Seja na solidão de quem mora sozinho ou no cenário em que famílias inteiras precisam descobrir formas de cuidado e convívio 24 horas por dia, temos o desafio de lidar com um turbilhão de emoções, manter a calma e encontrar soluções construtivas e equilibradas em um contexto indesejado e pouco favorável.

Estresse e os impactos na saúde e na capacidade de trabalho

Embora o estresse seja inevitável, quando excessivo diminui a imunidade e torna as pessoas mais vulneráveis e suscetíveis a doenças físicas, o que pode representar um risco aumentado para doenças infectocontagiosas. O estresse também pode abrir portas para a Depressão, Transtornos de Ansiedade, Síndrome do Pânico e outros distúrbios - ou agravar quadros já existentes.

O medo do contágio pessoal e de pessoas queridas, o isolamento social, as limitações e condições impostas pela quarentena e as inúmeras mudanças de hábitos e rotinas a que estamos sujeitos nesta fase podem levar a reações extremadas e gerar intenso estresse e sofrimento - para adultos e crianças.

Cada pessoa irá reagir de forma diferente, mas algumas reações são comuns:

  • sentimentos de raiva, tristeza e frustração
  • ansiedade elevada e pensamentos em torno do mesmo assunto
  • dificuldade para pensar com clareza e encontrar soluções para os problemas
  • dificuldades para se concentrar
  • alterações no sono e dificuldade para dormir
  • mudanças no apetite – comer mais ou menos do que o habitual
  • irritação extrema, impulsividade e descontrole emocional
  • tensão muscular e dores no corpo
  • abuso de substâncias como álcool, cigarro e outras drogas

Quem precisa trabalhar de casa pode ter muitas dificuldades para se concentrar e manter o foco, o que afeta o rendimento e entregas ao mesmo tempo em que é preciso lidar com as demandas e expectativas de empregadores ou clientes, o que gera mais estresse.

10 estratégias de sobrevivência psíquica

Diante deste cenário, além da proteção física para evitar a contaminação é fundamental criar formas de proteção psíquica para passarmos por esta fase com menos sofrimento e menos impactos significativos na saúde mental.

Em toda crise existem oportunidades de aprendizado e crescimento. E lidar com a ansiedade e o estresse nos tornará mais fortes.

  1. Evite o bombardeio de informações

Pode parecer difícil, mas é muito importante controlar o ímpeto de se atualizar minuto a minuto, ler todas as mensagens e ouvir todas as notícias que chegam pelo WhatsApp e mídias, pois isso só aumentará mais a ansiedade. Filtre o que realmente vale a pena e fará diferença. Definir apenas dois ou três momentos do dia para se atualizar pode ajudar.

  1. Use a criatividade e foque nas soluções

Esta é a hora de praticar focar nas soluções e não nos problemas. Olhe para cada situação e procure encará-las como desafios a serem superados com criatividade e, se possível, bom humor. Se mora com outras pessoas vocês podem se reunir e buscar soluções juntos para o convívio, rotina, atividades etc. E aproveitar para se ouvir e se conhecer melhor.

  1. Crie rotinas

Organizar as suas atividades e das crianças ao longo do dia e definir espaços para atender às demandas do trabalho, dos filhos e da casa em momentos específicos facilita o foco e estrutura o dia. Não se esqueça de deixar espaços para cuidar de você e fazer coisas que goste. E seja flexível para fazer adaptações se precisar.

  1. Para o trabalho em casa, use a técnica pomodoro

Para cada 25 minutos de total foco em alguma atividade faça pequenas pausas. Estas podem ser utilizadas para tomar uma água, respirar ou ver como estão as atividades das crianças. Explicar e pedir a colaboração de todos para não ser interrompido nesses períodos é fundamental.

  1. Crie ou resgate projetos

Podem ser pessoais ou profissionais: aprender algo novo, desenvolver novas habilidades, retomar o estudo de uma língua estrangeira, resgatar projetos interessantes que ficaram pendentes, pensar em como transformar o seu negócio para se adequar à fase atual, criar novos produtos...

  1. Não se isole e mude de canal

Mesmo não sendo possível encontrar as pessoas em carne e osso, estamos na era da tecnologia! Você pode fazer chamadas de vídeos a dois ou em grupo e conversar com as pessoas queridas. Importante lembrar que tudo isto que estamos passando em breve fará parte do passado. Fale de outros assuntos, faça planos para quando tudo isso terminar, recordem histórias positivas.

  1. Seja gentil com você mesmo e com os demais

A compaixão e a autocompaixão podem ser muito úteis aqui... não se exija demais, não se culpe pelas dificuldades e aceite que este é um momento difícil e inusitado com o qual todos estão aprendendo a lidar. Aproveita para oferecer ajuda para os vizinhos e peça ajuda se necessário.

  1. Crie a "quarentena divertida"

Esta ideia veio da minha filha de 10 anos. Pense como fazer destes dias em casa um período com atividades prazerosas e interessantes – pode ser uma oportunidade de brincar com os filhos, aprender a jogar xadrez, tirar os jogos de tabuleiro do armário, desenhar, escrever, dançar em casa, exercitar o seu lado cantor no karaokê que foi parar no armário...

  1. Respire e medite

Respirar profunda e lentamente acalma a mente e o corpo, diminui a ansiedade e ajuda a controlar o estresse.

De olhos fechados e focando a sua atenção no ar que entra e sai de você, inspire profunda e lentamente, solte o ar devagar pelo nariz... repita 10 vezes. Faça isso ao acordar, a cada pausa ou quando sentir necessidade de se concentrar ou acalmar. Pode ser uma boa oportunidade de fazer um curso de meditação online ou colocar em prática os conhecimentos que você já tem.

  1. Busque ajuda profissional

Lidar com as emoções em tempos de crise pode ser difícil e demandar ajuda profissional. Fique atento aos sinais que podem indicar sofrimento psíquico, seu e de outras pessoas com quem você mora. O psicólogo é um profissional que oferece uma escuta qualificada, autorizado pelo conselho de classe a atuar online, podendo realizar orientação psicológica pontual ou psicoterapia individual, de casal ou familiar por vídeo, áudio, e-mail ou chat com asseguramento da ética e sigilo profissionais.

Para lidar com questões mais práticas e objetivas, definir e alcançar metas relacionadas às mudanças e adaptação pessoal, familiar ou profissional existe a opção de programas de coaching, como o Coaching de Gestão do Estresse da Rumo.

Rosalina Moura é Psicóloga Clínica, Organizacional e Coach. Sócio fundadora da Rumo Saudável, empresa que atua no segmento de bem-estar, saúde mental  e gerenciamento do estresse em Organizações. É um das Colunistas do RH Pra Você. Foto: Divulgação

www.rumosaudavel.com.br

Você também vai gostar