A importância de uma comunicação saudável na gestão de pessoas

O desejo de quase, senão todos, os gestores é aumentar o desempenho dos integrantes de suas equipes, certo? Afinal, o aumento da produtividade reduz a necessidade de contratação de novos funcionários, pagamento de horas extras e outros custos administrativos.

Apesar das peculiaridades e contextos diferenciados de cada time, empresa e funcionário, um erro muito comum cometido por profissionais em posição de liderança no processo de aumento de desempenho dos colaboradores são as lacunas no diálogo e a falta de uma comunicação realmente saudável entre os membros da equipe.

Segundo uma pesquisa conduzida pelo PMI – Project Management Institute Brasil, 76% de 300 grandes empresas definem a comunicação no ambiente de trabalho como a principal razão do fracasso de muitas atividades.

Há múltiplas razões para isso, desde a insegurança dos funcionários para tirarem dúvidas com seus superiores até falhas nos meios utilizados na comunicação interna. Seja a origem dos problemas pessoal ou logística, é possível aferir que os desfalques na interação entre os colaboradores prejudicam diretamente a eficiência de produção da empresa.

O fato de muitos gerentes não considerarem a comunicação um investimento prioritário é algo que dificulta o desenvolvimento nesse âmbito. A cultura hierárquica pautada em rigidez que é perpetuada no meio empresarial tem como reflexo condutas que prejudicam, não só o diálogo, mas também o ambiente de trabalho.

Muitas vezes, administradores tendem a não considerar a opinião daqueles em cargos mais baixos ou os tratam com indiferença. Esse tipo de comportamento acaba distanciando os colaboradores da gerência, dificultando, assim, o fluxo de informações importantes, dúvidas e até relatos de insatisfação e problemas internos.

Outro ponto a ser levado em consideração é que uma boa dinâmica, tanto dentro das equipes quanto para comunicação empresarial como um todo, colabora com o bem-estar dos colaboradores e até a permanência deles na companhia.

Em um estudo publicado na revista britânica The Economist, 52% dos respondentes apontaram que falhas de comunicação contribuíram para o estresse e 31% alegou que elas geram desânimo com o emprego.

Isso mostra que, além dos prejuízos advindos de erros corriqueiros, como a falta de orientação para realizar um projeto ou perda de prazos, as despesas que envolvem o turnout – alta rotatividade de funcionários – também podem ser evitadas com o investimento em uma comunicação eficiente e saudável.

Além da aplicação de estratégias de comunicação interna, como o uso de plataformas corporativas de comunicação e a divulgação de newsletter, outras abordagens que, frequentemente, são deixadas de lado devem ser priorizadas.

A pesquisa da The Economist também revelou que 78% dos profissionais acreditam que ter objetivos mais claros em reuniões otimizam significativamente a comunicação e o rendimento diário, por exemplo. 62% dos entrevistados também consideram que treinamentos e capacitações para o entendimento de instruções de trabalho e mensagens institucionais.

Tendo isso em vista, podemos concluir que quando unimos o investimento em ferramentas e planos organizacionais de comunicação com a valorização da escuta ativa, da compreensão e do diálogo honesto e pacífico, os benefícios são sentidos por toda a companhia.

Criar um ambiente saudável e produtivo é algo mais lucrativo do que continuar perdendo funcionários, gastos cotidianos e gerando mais estresse para todo o corpo empresarial, não é mesmo? Então a valorização da comunicação no trabalho, com certeza, é um bom negócio!

A importância de uma comunicação saudável
Por Leandro Rampazzo, CEO da agência de publicidade full service Godiva Propaganda e Diretor do Comitê de Franqueados do IBF – Instituto Brasileiro de Franchising.