Na última quarta-feira, 22, a Swile Brasil, startup francesa de benefícios, promoveu a primeira edição do evento “The Daily Swile Conecta“, uma das iniciativas da  plataforma de conteúdo destinada a promover debates e conexões entre líderes, especialistas e players no universo corporativo, que também conta com blog e newsletter no LinkedIn.

Sob o tema “Tempo para se desafiar: impactos da IA na transformação dos negócios“, o evento reuniu executivos, creators, jornalistas, e ofereceu insights valiosos sobre o papel da inteligência artificial no mercado de trabalho.

Entre os participantes, estavam Gian Martinez, co-fundador e CEO da IA Winnin; Andreza Maia, LinkedIn TopVoice e co-fundadora da Futuros Possíveis, uma consultora e especialista em Inovação Inclusiva; Henrique Simões, Diretor Executivo de Estratégias Digitais da CNN Brasil; e Leo Branco, editor-chefe da Editoria de Carreira e Negócios da Exame. A condução e mediação foi do VP de Marketing da Swile, Bruno Montejorge.

‘The Daily Swile Conecta’ reúne líderes para discutir o impacto das IAs

O que dizem os especialistas

Martinez trouxe uma visão sobre o papel da inteligência artificial no panorama atual dos negócios, compartilhando insights sobre como as empresas podem utilizar essa tecnologia para impulsionar a inovação, alcançar resultados excepcionais, impactar na produtividade e na agilidade dos processos burocráticos.

“A gente está vivendo com a IA o mesmo ciclo que já vivemos com outras tecnologias. O que muda agora é a velocidade. Agora, como acontece com qualquer nova tecnologia, estamos passando por um processo de democratização”, explicou.

Andreza Maia, por sua vez, destacou a importância da inclusão e diversidade na era da IA. Sua abordagem centrada nas pessoas ressaltou como a inovação inclusiva pode ser um catalisador para o progresso social e empresarial, enfatizando a necessidade de considerar o impacto humano das tecnologias emergentes.

“Qualquer produto de IA é feito com pessoas e para pessoas. E, essas pessoas – todas elas – possuem vieses. Se as empresas não priorizarem times diversos para treinar IAs, elas vão perpetuar e amplificar os preconceitos e as exclusões históricas que sempre existiram”, afirmou.

Já Simões trouxe uma perspectiva sobre o papel dos meios de comunicação na disseminação de informações sobre a IA e seu impacto na sociedade. Sua visão abrangente sobre o cenário digital destacou a importância de uma abordagem ética e responsável no desenvolvimento e implementação de tecnologias inteligentes.

“Existem diversas ferramentas para facilitar processos no dia a dia de uma redação, por exemplo. Mas, claro, precisamos de líderes humanos para ensinar, incentivar e mostrar como devem ser usadas. Por isso, acredito que devemos unir o letramento em IA com habilidades humanas muito desenvolvidas e soft skills. Assim, as empresas vão criar um motor interno de desenvolvimento muito forte”, disse Simões..

Por fim, Leo Branco compartilhou sua experiência com a audiência para alertar que as pessoas têm sim medo de perder seus empregos para a IA. “Na Exame, matérias que dão bastante audiência são sobre carreiras que podem acabar com a chegada da IA. Mas, na minha visão, é, necessariamente, o contrário: a IA vai gerar empregos”, comentou.

Colab:
– Afinidade com tecnologia é mesmo um pré-requisito para quem procura emprego?
– Inteligência emocional em tempos de inteligência artificial

The Daily Swile

Bruno Montejorge, VP de Marketing da Swile Brasil, é incentivador do projeto “The Daily Swile” no Brasil – um espaço para promover debates, conversas e discutir o futuro em fóruns estimulantes para a troca de ideias e experiências. Multicanal, o projeto está presente nas plataformas Swile Brasil com editorial próprio no portal de conteúdo, na newsletter do LinkedIn, nas redes sociais Swile e em eventos presenciais e online.

“A proposta de The Daily Swile está justamente em tentar levar conteúdos que fomente ações dentro das empresas. Como a gente pode ajudar neste processo? Benefícios ajudam? Sim. Isso é suficiente? Não. Então, a gente usa a nossa capacidade de capturar conhecimento, promover eventos, proporcionar encontros que estimulam trocas entre diferentes experts do mercado, gerar conexões e muito conteúdo. Estou menos preocupado com o clique que eu vamos gerar e mais interessado em fazer com que as pessoas dentro das empresas fiquem com aquela ideia na cabeça.”