- Início

- Conteúdo

Ter boas condições de trabalho é prioridade para os profissionais brasileiros

Pesquisas 1402

Compartilhe Este Post

Pelo segundo ano consecutivo, a Oribá Soluções Criativas desenvolveu um balanço perguntando às pessoas se é possível ou não ser feliz no trabalho. A pesquisa, realizada com 500 profissionais, traça a satisfação deles com a posição que atualmente ocupam.

Logo de cara, o estudo identificou uma questão que pode surpreender muitos empregadores. Para somente 17% dos entrevistados, a questão salarial é prioritária para a aceitação de uma oportunidade. 83% dão preferência a ambiente e rotina de trabalho que ofereçam qualidade de vida.

Além disso, apesar de um período complicado vivido pelo mercado, os profissionais demonstram otimismo quanto a um quadro de melhora. 71% crêem que haverá uma retomada, embora a estatística tenha sido maior em 2017, quando 79,3% dos respondentes afirmaram acreditar na evolução da economia do país.

Outro número que apresentou queda em 2018 foi referente à possibilidade de ser ou não possível encontrar a felicidade no trabalho. No ano passado 94,24% afirmaram positivamente, enquanto na pesquisa atual, 88% dos entrevistados enxergam como possível. Segundo Rodrigo Cândido, sócio da Oribá, a redução do percentual não precisa ser vista com preocupação. “Não se trata de um pessimismo generalizado. Todos sabemos que o Brasil vem passando por mudanças e momentos bastante complicados tanto social quanto economicamente. Ter mais de 80% das pessoas acreditando na felicidade no trabalho ainda é algo a se comemorar. É sinal de que as empresas de modo geral devem continuar e intensificar suas ações para manter os funcionários motivados e felizes em um ambiente no qual passam boa parte de seus dias”, diz.

Parceira de Cândido à frente da empresa, Leila Ferraz complementa ao enfatizar a importância das empresas demonstrarem preocupação com a felicidade de sua equipe de trabalho. “Se estamos vivendo um cenário extremamente instável no mercado de trabalho, com demissões constantes em todos setores, ter pessoas que realmente estão felizes e não apenas tentando segurar suas vagas é algo pelo qual as empresas precisam zelar. Mais do que nunca, ações de valorização e reconhecimento são bem-vindas”, aponta.

Em outros dados, 34% dos profissionais disseram que seria necessária uma mudança de emprego para que sejam felizes. Ainda assim, 92% classificam como boa a relação que têm com seus gestores.

Como os profissionais enxergam o RH

Grande responsável por projetos e ações para melhoria de clima na maioria das empresas, o RH também foi objeto de análise em algumas perguntas da pesquisa. Dentre os questionamentos, estiveram: "Você confia na área de recursos humanos para resolução de problemas de clima?" e "Você acha que a área de recursos humanos na sua empresa trabalha para a felicidade dos colaboradores?"

Para a primeira questão, repetindo o número de 2017, 88% das pessoas responderam "sim" na pesquisa deste ano. Já para a segunda, no entanto, houve uma leve queda de 7% no nível de confiança. Ou seja, se em 2017 um grupo de 77,57% dizia acreditar que o RH trabalha para a felicidade dos colaboradores; em 2018, esse número caiu para 70%, mas ainda assim, o balanço é positivo.