- Início

- Conteúdo

Saiba como declarar o Imposto de Renda pela primeira vez

FINANÇAS 317

Compartilhe Este Post

Estamos vivendo uma pandemia que pode ocasionar em dúvidas referentes ao prazo final da entrega da declaração. Porém, até o momento, o governo não se manifestou sobre o adiamento desse prazo. Você que precisa fazer sua primeira declaração, está se preparando?

Todos os anos, jovens recentemente inseridos no mercado de trabalho realizam a declaração de Imposto de Renda pela primeira vez e não sabem ao certo os documentos necessários e o que precisam declarar nesse início de vida financeira. Muitas pessoas estão trabalhando de casa e podem aproveitar o tempinho extra fora do trânsito para adiantar.

Acertar as contas com o leão já traz dúvidas para aqueles que declaram há anos, e para quem é iniciante nesse processo, não costuma ser diferente. Para ajudar os jovens a não caírem na malha fina, a IOB, consultoria especializada na área contábil, tributária e trabalhista, separou algumas dicas. Confira:

Quem precisa declarar?

A declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF-2020) é obrigatória para aqueles que obtiveram rendimentos tributários anuais acima de R$ 28.559,70 em 2019, o que dá uma média de R$ 2.379,98 por mês. Ou também quem teve renda não tributável (por ex. rendimentos de caderneta de poupança) ou tributada exclusivamente na fonte (por ex. rendimentos de aplicações financeiras ou de ganhos de capital), cuja soma totaliza no ano acima de R$ 40 mil.

Quais documentos separar?

Agora que você já sabe se deve declarar, vamos ao passo a passo de como seguir:

A separação antecipada de documentos ajuda na hora de preencher o documento e o contribuinte fica mais seguro, pois já tem os documentos em mãos para realizar a declaração.

Além de precisar dos documentos pessoais como CPF, data de nascimento, endereço atualizado, extrato de conta bancária e atividade profissional exercida, a documentação referente aos bens e direitos, renda e despesas também é necessária.

Já os informes de salários e rendimentos do ano referente à declaração podem ser obtidos com a empresa - é aconselhável guardar os informes por 5 anos, caso o contribuinte caia em alguma malha fina e a Receita Federal solicite comprovação das informações.

As despesas com plano de saúde, escola, faculdade e consultas médicas podem ser deduzidas para aumentar o valor da restituição ou reduzir do imposto a ser pago. Para preencher os dados de "Bens e Direitos", são necessários os documentos que comprovem a compra e/ou venda de imóveis e veículos, por exemplo, no ano de 2019, caso o contribuinte obtenha.

Qual a melhor forma de declarar?

Geralmente, jovens que estão declarando pela primeira vez não obtém muitas despesas para poder deduzir. O programa da Receita Federal aponta para os declarantes qual modalidade é melhor para cada situação financeira, uma simulação entre a Declaração Completa e a Simplificada.

A declaração completa é mais indicada para aqueles que têm muitas despesas dedutíveis aceitas pelas normas do imposto de renda - como dependentes, despesas médicas, dentistas, escola, entre outros -, pois impactam diretamente no cálculo do imposto.

Já a opção simplificada é indicada para quem tem apenas uma fonte de renda e poucas despesas a deduzir. Neste formato, há o desconto padrão de 20% sobre os rendimentos tributáveis, que substitui todas as deduções legais limitado a R$ 16.754,34.

"A melhor opção para os iniciantes do Imposto de Renda é aproveitar o programa de simulação da Receita Federal, para entender qual a melhor declaração em seu caso. Depois que souber a opção mais vantajosa, todo o preenchimento fica mais fácil", afirma Valdir Amorim - coordenador de impostos da IOB.

Para mais informações sobre a Declaração do Imposto de Renda, acesse o site da IOB (http://info.iob.com.br/dirpf2020/)

Você também vai gostar