- Início

- Conteúdo

Rh Toptalks: Dados, People Analytics E A Nova Gestão De Pessoas

Compartilhe Este Post

No dia 13 deste mês, o Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo, abriu suas portas para a primeira edição do RH TopTalks, evento promovido pelo Grupo TopRH em parceria com a Sólides, uma das maiores HRTechs do país. No pontapé inicial do encontro, o assunto abordado foi um dos novos queridinhos de muitas organizações – e um dos maiores desafios de várias outras -, o People Analytics.

O dia de palestras começou às 9h, após um caloroso networking. Fundador da Sólides, Alessandro Garcia (capa) se encarregou de falar sobre o novo cenário do RH no país e a respeito das perspectivas inovadoras sobre a gestão de pessoas no Brasil. De acordo com o especialista, um dos principais pontos de renovação das empresas está em repensar o papel do RH, uma vez que “ainda ocorre muito da área de Recursos Humanos estar afastada das estratégias e tomadas de decisão das empresas”. Não é à toa que, segundo o LinkedIn’s Global Recruiting Trends 2018, 2 em cada 3 profissionais de RH sentem que a área não é valorizada em suas respectivas empresas.

Além disso, Garcia apontou o People Analytics como um apoiador fundamental para trabalhar na diminuição do turnover e, consequentemente, na redução de gastos. “Vários negócios não têm dimensão da ladra de recursos que é a rotatividade. Portanto, cada ponto percentual reduzido gera valor e tem um impacto significativo nas finanças”.

Outro ponto abordado pelo palestrante, ao lado da moderadora Tatiana Tafuri, Diretora de Gestão de Pessoas da Bloomin’ Brands Brasil, é o quanto o uso de dados pode impactar também na produtividade da empresa. A facilidade de acesso propicia a criação de análises mais profundas, o que se destaca na identificação dos processos que estão funcionando e aqueles que precisam de uma atenção a mais. Do mesmo modo, os dados ajudam a identificar quais os perfis de pessoas mais adequados a cada vaga e ao modelo de trabalho da organização.

Dados não funcionam sozinhos

Após o término da palestra de Alessandro, os participantes foram convidados a participar de um café com propósito. Na área de coffee, o público teve acesso a stands do Greenpeace, do Grupo TopRH, da Relevo, da RB Hygiene e da Sólides para um bate papo rico em aprendizado sobre People Analytics e outros tópicos de gestão empresarial. Seguido disso, a plateia retornou ao auditório para conferir a palestra de um dos principais talentos jovens de PA no país, Matheus Tolentino, especialista do assunto na Sólides.

Unindo teoria e prática – na qual o público participou de uma atividade ao final da apresentação -, Tolentino apresentou cases e soluções para potencializar o uso do PA nas empresas. O palestrante ressaltou a importância de não tratar os dados como soluções dos problemas, mas sim como um mecanismo para encontrar as melhores alternativas. “O PA pode ser aplicado em toda a jornada do colaborador, seja na atração, na gestão, no T&D e na retenção. Entretanto, não há como fazer uma medição de dados precisa se os processos não forem estruturados. Dados não devem ser trabalhados em excesso e os objetivos não devem ser definidos em quantidade, mas em clareza e relevância.

O jovem especialista trouxe também à tona a importância de desenvolver um mindset desapegado de vieses inconscientes, já que eles podem influenciar negativamente na identificação de quais são os dados realmente relevantes e úteis para o negócio. “O PA é importante à medida que ajuda a ter uma maior noção do que está acontecendo no ambiente de trabalho e nas finanças. Porém, é necessário ter cuidado com suas correlações. Se elas forem feitas de forma que não faça sentido, os impactos podem ser graves para a companhia”, explica.

Case de sucesso

Coordenadora de Recursos Humanos na Emive Segurança Eletrônica, Alessandra Costa assumiu o palco para falar sobre o impacto do People Analytics na empresa. A palestrante apresentou um benchmarking no qual falou sobre os sucessos e os desafios do uso do PA no time de vendas.

Na Emive, os principais desafios a serem superados eram a diminuição da rotatividade e o fortalecimento de contratações mais assertivas. No processo, auxiliado pela Sólides, o RH da Emive fez um mapeamento de perfil de toda equipe comercial e dos gestores, com o intuito e oferecer treinamentos para desenvolver as habilidades a serem melhoradas.

Como resultado, a Emive otimizou seu processo seletivo. Com a identificação do perfil exigido para a área, as contratações se tornaram mais eficientes. A taxa de turnover, segundo a gestora, teve uma queda relevante no período de 2017 para 2018. Se antes o turnover atingiu a casa dos 11%, no ano passado em alguns medes o índice batia os 4%. E por fim, os feedbacks deixaram de ser gerais e se tornaram direcionados para cada perfil de colaborador.

De mãos dadas com números e variáveis

Após a pausa para o almoço, o período da tarde do evento trouxe duas palestras poderosas. Na primeira delas, a apresentação ficou a cargo do Especialista em PA Fernando do Valle (à esq. na foto abaixo), que levou o modelo para dentro de duas grandes empresas: Oi e Globo. A palestra foi moderada por Alexandre Peres (à dir.), Consultor Independente com 6 anos de experiência em PA no Itaú Unibanco.

Na conversa com o público, Fernando falou sobre como o método pode promover grandes mudanças na gestão de empresas de todos os portes. “Daqui alguns anos, o RH não será questionado de acordo com o cargo que cada profissional exerce, mas sim de acordo com os projetos realizados e a complexidade dos desafios que estão sendo resolvidos”. O palestrante pontuou que quando falamos sobre PA, estamos reconhecendo a existência de vieses, assim como apontou Tolentino, procurando padrões de comportamento e tendências “perdidas” entre uma infinidade de dados.

O consultor levantou também a importância do Machine Learning em conjunto com o People Analytics, trazendo a consideração de que, muitas vezes, é fundamental que o gestor de RH não se prenda somente aos conhecimentos da área para trabalhar com a ferramenta. Segundo Fernando, saber mais sobre estatística e ter a curiosidade de conhecer sistemas – como o Data Analysis – podem fazer a diferença nas análises e na compreensão do comportamento das variáveis.

O gestor como design thinker

Para fechar o RH TopTalks, um dos palestrantes mais renomados do país assumiu o palco. Top5 do Top of Mind de RH, Eduardo Carmello trouxe ao público uma apresentação sobre o potencial do design thinking na gestão e nos processos corporativos.

Na palestra, o diretor da Entheusiasmos insistiu na relevância das empresas investirem em ações e soluções cada vez mais criativas e inovadoras não só para atrair mais clientes, como também para trazer e reter os melhores talentos. “A gente trabalha tanto com dados demográficos, mas por que tão pouco com dados psicométricos? O que é relevante é minha capacidade e criatividade, não onde eu moro ou quantos filhos eu tenho”.

Carmello comentou também sobre o quanto a falta de iniciativas ágeis está fazendo a diferença no mercado. As empresas vêm adotando uma relação cada vez mais humana e objetiva com seus consumidores, o que faz com que modelos extremamente burocráticos – e lentos - venham “queimando” produtos e instituições aos olhos do público. Nesse ponto, é um forte diferencial competitivo ter líderes e gestores com um mindset fora da caixa.

Gostou desse post? Compartilhe!