- Início

- Conteúdo

Reinvenção e o Futuro do Trabalho: Vamos fazer parte dessa nova era?

Futuro 280

Compartilhe Este Post

Estamos passando por dias muito conturbados. A pandemia (COVID-19) está nos trazendo muitos novos aprendizados e boa parte deles são de difícil assimilação. Mas é hora de apostarmos na reinvenção de nós mesmos e olharmos para o futuro do trabalho.

Na prática, estamos reaprendendo (ou retomando) coisas simples, que deixamos de lado por conta do dia-a-dia corrido. Coisas do tipo: dar atenção às pessoas numa chamada de vídeo, apreciar o pôr-do-sol, uma planta, participar de um show da varanda de nossas casas, assistir a desenhos com os filhos, realmente sentir saudades de dar um abraço em uma pessoa querida.

Podemos enumerar muitas coisas que passaram a ser realmente importantes novamente. Tenho certeza de que você pode enumerar várias também, não é mesmo?

Uma nova era

Quem nunca assistiu aos Jetsons? Podíamos sonhar com o futuro, estão lembrados? Era fantástica a quantidade de novas tecnologias apresentadas e imaginávamos como seria o futuro.

Pois é, essas tecnologias chegaram e tem influenciado os processos e a atuação dos colaboradores em seus trabalhos. Afinal, quantas empresas não tinham a cultura do home office, pois queriam ver seus colaboradores todos os dias na empresa, para ter a "garantia" de que estavam trabalhando?

Agora, que "garantia" é essa? Que o profissional está fisicamente na empresa? Até alguns anos atrás isso poderia fazer sentido uma vez que os projetos estavam nas mãos dos gestores, que delegavam atividades à equipe, que, por sua vez, não tinham acesso ao projeto. Comando e controle puro.

No entanto, antes mesmo da pandemia, já havia muitas empresas repensando a sua forma de trabalho para proporcionar aos seus colaboradores a possibilidade do home office.

E percebo que este é um processo de ganho para os dois lados: a empresa tendo de rever a sua cultura, processos, benefícios, remuneração etc.; os profissionais tendo mais autonomia e flexibilidade para atuar. Nesse sentido, já adianto: o preparo dos gestores para trabalhar com equipes remotas e a revisão dos processos de avaliação farão toda a diferença nos resultados.

Temos que considerar que os profissionais não estarão presencialmente todos os dias na empresa, mas continuarão interagindo com os seus clientes internos e gestores. Eles terão que apresentar cada vez mais competências relevantes em suas áreas de atuação para o desenvolvimento de projetos, focando em produtividade, resultados e atingimento das metas.

Vários profissionais que estão em processo de recolocação têm comentado comigo que são questionados nas entrevistas sobre:

- Quais são as suas principais competências?

- Como você pode contribuir para o desenvolvimento dos projetos e resolução de problemas?

- Qual a sua forma de apresentar resultados?

Essencialmente, atualização, busca por novas competências e visão de negócio são pontos que sempre estarão em alta para os profissionais que buscam manter a sua empregabilidade em dia.

E você, o que tem feito para manter a sua empregabilidade? Está preparado para uma revolução na forma de trabalhar?

Por Maria Emilia Leme, especialista em recolocação profissional e transição de carreira

Você também vai gostar