- Início

- Conteúdo

Programação Neurolinguística A Favor Dos Líderes

Coluna

Compartilhe Este Post

Programação Neurolinguística a favor dos Líderes

Você sabia que nossos pensamentos e emoções podem influenciar diretamente em nossas ações? Essa questão pode parecer um tanto óbvia, mas você já se questionou do quanto esses elementos podem influenciar na carreira profissional? Venho abordando em minha coletânea de artigos a importância da liderança moderna atentar-se ao bem-estar de seus colaboradores, mas ainda que essa questão ganhe cada vez mais notoriedade, algumas organizações insistem em abordar um estilo de liderança ultrapassado ao colocarem seus colaboradores em segundo plano.

O líder moderno deve conectar-se diretamente com os membros de sua equipe para compreender a motivação de seus comportamentos e quais emoções os levaram a isso, para então, poder trabalhar essa questão em conjunto e potencializar a performance de cada indivíduo. Mas de que maneira isso é possível? Por meio de uma poderosa ferramenta que apresentarei neste artigo, chamada Programação Neurolinguística (PNL).

Se você deseja aprimorar suas habilidades de liderança e com isso extrair o melhor potencial de seus colaboradores, não deixe de acompanhar o conteúdo até o final.

O que é Programação Neurolinguística?

Que tal voltarmos um pouquinho no tempo para compreendermos como a Programação Neurolinguística foi criada? Pois bem. O estudante de psicologia, Richard Bandler, e o professor de linguística, John Grinder, iniciaram os estudos sobre a PNL no início dos anos 70. A intenção inicial deste estudo era identificar os padrões que brilhantes terapeutas da época utilizavam para alcançar um trabalho considerado tão efetivo. Esses padrões eram avaliados por meio da linguagem verbal e corporal dos terapeutas, a fim de descobrir se esses comportamentos influenciavam no sucesso profissional obtido por ambos.

Eis que Brandler e Grinder, com o auxílio de outros pesquisadores, observaram que algumas linguagens e comportamentos específicos, além de crenças e pressupostos alimentados pelos terapeutas, os ajudavam a realizar suas atividades com êxito e refletiam positivamente em seus resultados. Pode-se concluir por meio deste estudo que, para buscarmos a mudança no comportamento de um indivíduo, primeiramente é necessário compreender qual a razão que o influenciou a agir dessa maneira. Ou seja, compreender o seu modelo mental.

A PNL é uma ferramenta para que a pessoa aprenda a gerenciar seus pensamentos, emoções, e torne-se “líder de si mesmo” para então potencializar seu desempenho pessoal e profissional. Ela nos permite compreender nosso modelo mental e trabalhá-lo de maneira efetiva nas mais variadas questões diárias.

Quais os benefícios da PNL na liderança moderna?

Não importa o que fizeram de mim, o que importa é o que eu faço com o que fizeram de mim.” (Jean-Paul Sartre)

Além de aprimorar consideravelmente a qualidade de vida pessoal, a PNL tornou-se uma técnica fundamental para que o indivíduo aumente o conhecimento de si mesmo e daqueles com quem convive no universo corporativo, de modo a potencializar seu desempenho para obter êxito em sua carreira.

Antes de detalhar o uso dessa ferramenta em prol da liderança, gostaria de explicar algumas diferenças entres os tipos de líderes.  O chefe no qual estávamos acostumados a lidar no passado e que, felizmente, está cada vez mais escasso no mercado, possui três funções principais. Elas formam o acrônimo POC: Planejar, Organizar e Cobrar resultados.

Já a líder moderno, além de envolver a equipe no planejamento, organização das tarefas e cobrar resultados de maneira motivacional e colaborativa, empenha-se em conduzi-la à excelência. Essa prática é bastante inspiradora e requer uma postura servidora por parte do líder, de modo que os colaboradores o enxerguem como um semelhante e um profissional que esteja disposto a atender suas necessidades.

Mas de que forma, afinal, a PNL pode auxiliar neste cenário? Na essência, ela modela o que fazemos, e como fazemos. Nós criamos nosso mundo interno por meio daquilo que acreditamos, ouvimos e sentimos, e nosso modelo mental é formado por meio dessas informações.

O líder que consegue compreender essas questões, passa uma imagem coerente à sua equipe, de modo a mantê-la motivada e engajada com os valores da empresa, além de repassar seu conhecimento aos colaboradores e servir de exemplo para que eles sigam o seu caminho.

Por Marcelo Simonato, escritor, palestrante e mentor de Carreiras. É um dos colunistas do RH Pra Você.

O conteúdo dessa coluna representa a opinião do colunista. Foto: Divulgação

Gostou desse post? Compartilhe!