- Início

- Conteúdo

Por Que A Entrevista Durou Só Cinco Minutos?

Coluna 330

Compartilhe Este Post

Para o candidato é sempre importante avaliar o contexto antes de chegar a alguma conclusão nos casos em que a entrevista dure apenas cinco minutos.  Eu consideraria "aceitável" se o selecionador tem muitas vagas em aberto e muitos profissionais (comum em vagas operacionais). Nestas situações um bate papo rápido é comum.

Caso não seja um recrutamento de massa (muitos profissionais), uma entrevista rápida pode significar que algum candidato já foi selecionado por se destacar muito. Porém, também pode representar que existe uma "carta marcada" (indicação de um colaborador importante da empresa) e o processo seletivo é só uma mera formalidade.

Outros pontos que podem transparecer são:

- Despreparo do selecionador que não sabe conduzir uma boa e respeitosa entrevista.

- Algum tipo de preconceito (ou do próprio selecionador ou de seu gestor).

- Cansaço e stress por parte do selecionador devido as demandas diárias.

Neste cenário, é fundamental ter em mente: Por mais que a rotina nos "engula", não podemos esquecer que estamos lidando com pessoas. Aquele candidato muitas vezes é visto como "só mais um" - um erro humano. Afinal, para o participante, aquela é A entrevista.

Muitos profissionais de Recursos Humanos são "jogados" na área de seleção sem ter qualquer treinamento. É fato que muitas coisas aprendemos no dia a dia. Porém, só iremos nos destacar se estivermos bem preparados, pois se o candidato aprovado for brevemente desligado, ninguém vai pensar duas vezes antes de colocar a culpa no RH.

Entrevistas requerem um cuidado especial da parte de quem conduz. Não é uma conversa qualquer. É uma troca. O profissional precisa tomar cuidado para não deixar de ter empatia. Portanto, se você conduz processos seletivos, minha dica é que em dias de seleção, dedique-se apenas para essa atividade (se possível) ou então coloque poucos candidatos por dia - eu sugiro cerca de quatro, no máximo.

Em cinto minutos, ninguém conhece o perfil de ninguém. Um candidato que tenha essa consciência perceberá isso e sairá com a impressão de desrespeito. Nunca devemos esquecer que o selecionador representa a imagem da empresa e a primeira impressão precisa ser positiva.

Por Isabela Cavalheiro, diretora e fundadora do Grupo Trhoca. A psicóloga é uma das colunistas do RH Pra Você.

Gostou desse post? Compartilhe!