- Início

- Conteúdo

Plataforma investe em tecnologia e inovação para reformular processo de recrutamento

Compartilhe Este Post

Em meio à intensiva digitalização recente do RH, empresas que visam se manter fortes e competitivas não podem se dar ao luxo de procrastinar a introdução da tecnologia em seus processos. Nessa modernização, a área de Recrutamento e Seleção caminha em paralelo com a linha do humano e do digital. E ferramentas que a otimize e a torne mais intuitiva, assertiva, barata e inovadora são diferenciais – que beiram à sobrevivência – cada vez mais procuradas. Diante desse panorama, a Connekt, plataforma de recrutamento, é um exemplo de organização que trouxe a revolução digital para sua base estratégica e operacional.

Além de proporcionar um processo mais simplificado e dinâmico somente para os recrutadores, a plataforma visa também levar ao candidato a melhor experiência. Na “esteira digital”, são realizados testes que promovem as principais competências técnicas e mentais dos colaboradores. Segundo Henry Novaes, sócio da Connekt, o processo em prol do candidato será potencializado. Quem se cadastrar poderá fazer vídeos e contar com o Watson, inteligência artificial criada pela IBM, para avaliá-lo com notas, análises e sugestões que visem tornar os vídeos ainda melhores e mais chamativos às empresas. E vale destacar que somente o candidato terá acesso à essa avaliação. “Assim como usamos a inteligência artificial a favor das empresas, queremos que ela ofereça uma boa experiência ao candidato, que é o nosso principal cliente”, diz.

Henry explica que a criação da plataforma surgiu da necessidade em lidar com os períodos de oscilação do volume de vagas nas empresas de recrutamento, o que impacta nas equipes de trabalho. A Connekt nasceu como ferramenta digital e estratégica para tornar o R&S mais fácil, favorecendo que etapas do processo sejam feitas de forma automatizada, de modo que o capital humano e o tempo do recrutador sejam melhor utilizados. “Esse tempo vai para o essencial, que é o olho no olho, a entrevista profunda. É um tempo dedicado àqueles que já se mostraram as melhores opções para o perfil da vaga em aberto”. A meta final é que 5% dos candidatos cheguem a essa etapa.

O executivo aponta que, no mercado, 80% do tempo de trabalho não é usado de forma estratégica – como convocações no estilo call center, por exemplo -, um cenário que as empresas competitivas já trabalham para mudar. “A missão da Connekt é inverter esse parâmetro. É você ter 80% do tempo em um trabalho estratégico, visando a avaliação do candidato e do mercado, entendimento das características, competências e perfil daquela posição, enquanto 20% será dedicado ao operacional”, ressalta Novaes. “Isso nos motiva a buscar e investir em mais tecnologias. Queremos mudar esse movimento dentro do RH”, acrescenta.