- Início

- Conteúdo

Onde Você Quer Estar Daqui A Cinco Anos?

Planejamento

Compartilhe Este Post

A correria do dia a dia e a repetição constante de tarefas nos fazem entrar em uma espécie de “piloto automático”. Os dias vão passando e o objetivo acaba se tornando completar uma lista de tarefas, sem que seja necessário realizar grandes reflexões sobre o que estamos fazendo ou sobre onde pretendemos chegar.

A vida vai seguindo sem perspectivas... E quanto a nós? Vamos vivemos um dia a menos, quando na verdade, deveríamos viver um dia a mais.

Existe uma grande diferença entre essas duas formas de viver. Um dia a mais torna a vida produtiva, intensa, enriquecida em conhecimentos, marcante, com mais contatos e experiências. Um dia a mais significa que, nas 24 horas vividas, pudemos acrescentar algumas intensas páginas de texto à nossa biografia.

Por outro lado, viver um dia a menos acaba se tornando monótono. Acordamos, trabalhamos, fazemos as refeições e as obrigações. Vamos dormir sem que nada marcante tenha acontecido. Desperdiçamos 24 horas da nossa trajetória, da nossa biografia.

Você já viveu isso? Eu vivi dois momentos assim. Aos 24 anos, trabalhando há seis anos na área de siderurgia de uma grande empresa, tendo passado por seis promoções, encontrava-me como executivo de vendas e assessor direto do diretor.

Certo dia, fui conversar com ele sobre as minhas projeções futuras na companhia, já que me sentia estagnado pessoal e profissionalmente, apesar de ter um excelente salário para o momento. A conversa acabou se tornando a gota d’água quando o diretor disse: “Você é muito jovem e precisa ainda aguardar uns dez anos para alcançar um cargo de alta liderança”.

Dez anos! Dez anos? Dez anos é muito tempo para desperdiçá-lo na vida! E antes de esperar que passasse esse longo tempo, eu me questionei sobre onde queria estar dali a cinco anos.

Naquele momento, talvez, não soubesse a resposta, mas tinha em mente outro dado importante, sobre onde eu não gostaria de estar. A resposta era clara: eu não gostaria mais de estar naquela empresa.

Pedi demissão e defini meu novo rumo: ser jornalista esportivo. Eu já era graduado em Administração de Empresas, mas voltei aos bancos da universidade e me formei em Jornalismo. Atuei tão intensamente que tudo aconteceu de forma rápida na minha carreira: Rádios Eldorado e Gazeta, TV Band, SporTV, SBT. Fiz coberturas dos principais eventos mundiais, como Copas do Mundo e Olimpíadas.

Eu me senti feliz e realizado até que um novo desconforto profissional aconteceu. Novamente, me questionei sobre onde gostaria de estar nos próximos cinco anos e, certamente, não seria como repórter e jornalista esportivo, já que aquilo deixou de me trazer realização e felicidade.

Desta vez, estreei como escritor e biógrafo, contando a trajetória do empresário Samuel Klein, da rede de lojas Casas Bahia, que me fez reencontrar a realização pessoal e profissional e, mais do que isso, o meu real propósito de vida.

Foi um enorme desafio, lançar o primeiro livro justamente do “Rei do Varejo” brasileiro e, convenhamos, um dos mais dinâmicos e competentes varejistas do mundo.

Esse foi o primeiro de tantos outros livros. Passados mais de 15 anos, cada vez que me refaço essa pergunta, encontro sempre a mesma resposta: quero continuar a escrever livros e biografias, e a compartilhar as experiências que tenho tido e os aprendizados adquiridos com esses gênios do empreendedorismo em livros e palestras.

O que eu quero dizer com tudo isso é que a grande questão não é perguntar a si mesmo onde você estará daqui a cinco anos, mas sim a resposta que irá obter depois da pergunta.

Se a resposta for: não quero estar fazendo o que faço hoje, será necessário provocar mudanças substanciais na sua própria vida, encontrando outro propósito e provocando novos sentimentos que o façam entender que viver intensamente vale à pena.

É uma situação delicada e complexa. Talvez você não queira ou não tenha coragem de perguntar a si mesmo. Entretanto, eu como jornalista e biógrafo, deixo a você a pergunta:

 “Onde você que estar daqui a cinco anos?”

Por Elias Awad,  biógrafo e palestrante

Gostou desse post? Compartilhe!