- Início

- Conteúdo

O Que É O ‘Local De Trabalho Onipresente’ E Como O Brasil Está Adotando O Modelo

Compartilhe Este Post

O novo relatório da Information Services Group (ISG), empresa global de pesquisa e consultoria em tecnologia, deixa um claro um dos maiores desafios propostos às empresas: fornecer um local de trabalho onipresente.

O conceito diz respeito às empresas desenvolverem estratégias que permitam que seus colaboradores sejam produtivos em qualquer lugar. E de acordo com o relatório ISG Provider Lens™ Digital Workplace of the Future para o Brasil, fornecedores de serviço estão respondendo com novas soluções de ambiente de trabalho digital que entregam suporte mais flexível, colaborativo, baseado em nuvem e automatizados.

Foi levantado que as empresas voltadas para o futuro estão reavaliando como o trabalho é feito e reinventando os papéis que sustentam o negócio. Tornou-se mais frequente a contratação de consultores que usam design thinking, analytics e automação para o mapeamento do trabalho para personas específicas. A medida visa aumentar a criatividade e a produtividade, além de melhorar os resultados de negócios expandindo o acesso às informações e ferramentas em nuvem que permitem que os funcionários trabalhem a qualquer momento, em qualquer lugar e em qualquer dispositivo.

"O local de trabalho não é mais um local, é onipresente", diz Esteban Herrera, sócio e diretor global da ISG Research. “Os funcionários precisam ser produtivos onde quer que estejam e o local de trabalho precisa avançar com eles. As soluções atuais são centradas em smartphones, mas o local de trabalho digital está sendo estendido à Internet das Coisas (IoT) e aos dispositivos vestíveis”.

Os serviços do local de trabalho estão sendo reconfigurados para aproveitar assistentes virtuais ou chatbots para resolver problemas. "Mudar para a esquerda" - resolver ou prevenir um problema antes da intervenção humana - está se tornando uma nova prioridade. Ao mesmo tempo em que realidade aumentada e realidade virtual são usadas para melhorar a experiência do usuário. As empresas estão reduzindo o custo de enviar pessoas para o suporte no local.

Com ambientes de trabalho mais automatizados, com autoatendimento e mobilidade, a ISG vê uma eliminação gradual dos serviços de campo, mas observa que ainda é necessário que os humanos treinem bots de IA, revisem e aprovem algoritmos de aprendizado de máquina e projetem as melhorias de serviços, entre outras atribuições de alto nível.

Device-as-a-Service está crescendo em popularidade, segundo a ISG, com os provedores lidando com todo o ciclo de vida de aquisição-descarte-atualização, simplificando o processo por meio de quiosques e máquinas de entrega automática em alguns casos. As empresas também buscam a “neutralidade de dispositivos”, com lojas de aplicativos que permitem que os usuários escolham qualquer dispositivo e instalem aplicativos de negócios, apoiando o crescimento do movimento BYOD (Bring Your Own Device).

O relatório da ISG também cita o uso de ferramentas integradas de gerenciamento do ambiente de trabalho para monitorar dinamicamente a localização, o uso de aplicativos e o acesso a dados, com análises em tempo real acionando configurações automatizadas para permitir ou negar acesso e até mesmo apagar dados de dispositivos perdidos ou roubados.

Plataformas de colaboração baseadas na nuvem que combinam VoIP, vídeo e chat - como o Skype for Business, Google Hangouts, GoToMeeting, Zoom, WebEx e Slack - estão substituindo a telefonia tradicional, diz a ISG. A colaboração social também está no centro das atenções, com mensagens instantâneas substituindo as plataformas de e-mail e compartilhamento de arquivos usados no lugar dos anexos.

O relatório ISG Provider Lens™ Digital Workplace of the Future avalia 24 provedores que atendem o mercado brasileiro em cinco quadrantes: Digital Workplace Consulting Services; Serviços Gerenciados de Digital Workplace (grandes empresas); Serviços Gerenciados de Mobilidade Empresarial (grandes empresas); Serviços Gerenciados de Digital Workplace e Mobilidade (empresas médias); e Serviços de Comunicações Unificadas e Colaboração.

Gostou desse post? Compartilhe!