- Início

- Conteúdo

O Novo Modelo De Negócio Da Indústria 4.0

Compartilhe Este Post

A chamada quarta revolução industrial, conhecida como a indústria 4.0, já é realidade e surge para integrar as informações entre os processos físicos e computacionais das empresas. Nesse novo conceito, é possível copiar o "mundo real" no "mundo virtual" para simular as operações e por consequência, trazer mais previsibilidade, agilidade, eficiência, redução de custos e buscas de oportunidades.

Neste cenário, os principais elementos que compõe a indústria 4.0 são: digitalização, conectividade, robótica, Big Data, computação em nuvem, integração de sistemas, Inteligência Artificial, Internet das Coisas (IOT), manufatura aditiva, realidade aumentada, simulações e sistemas em tempo real. Essas tecnologias são capazes de tornar os processos mais seguros e aumentar a qualidade dos produtos e serviços prestados.

Diante desta novidade, é importante ressaltar que a Indústria 4.0 não está inserida apenas no chão de fábrica e sim em toda a empresa. Uma delas é a área tributária, onde está acontecendo uma mudança de rota, tornando-se mais estratégica e colaborativa com todos os negócios e operações.

Simular é o verbo. São as simulações de cálculos e análises qualitativas realizadas por toda a tecnologia desta indústria que possibilitarão uma gestão tributária com maior nível de compliance, buscando indicadores de oportunidades tributárias e modeladores de riscos que vão ajudar a tomar a melhor decisão para a estratégia de negócios.

Essas simulações serão possíveis graças a um dos principais pilares da indústria 4.0, a Inteligência Artificial. Esse recurso chega à área tributária com a função de "acelerador", pois permite a interação mais rápida e segura entre o volume de informações.

Os SPEDs geraram uma massa de dados grande que vem de pontos diferentes, mas que se convergem. A nova tecnologia de Inteligência Artificial produzirá análises mais apuradas desses dados já concentrados com o objetivo de gerar as melhores abordagens para tomadas de decisões.

O ex-tarifário é um exemplo de contribuição da Inteligência Artificial na indústria automobilística e sua imensa cadeia. Complexo de interpretar, o mecanismo permite a redução de tributos na importação de bens desde que não haja um similar feito localmente.

Todo o processo de identificação do item para pleitear o benefício exige um detalhamento técnico minucioso, garantindo que não haja similar nacional. Com a estruturação das bases para Inteligência Artificial, é possível sugerir benefícios como um Ex-Tarifário, por exemplo, ou ainda apontar modelos semelhantes que se aproximem do pleito. Uma tarefa humanamente impossível de concluir no mesmo tempo, qualidade e segurança.

Por essa tecnologia, vamos poder extrair as estratégias e, a partir delas, fazer uma leitura muito mais pragmática dos dados. A tecnologia vai produzir análises mais isentas e seguras. Imagine quantas oportunidades estão escondidas por toda a cadeia entre as montadoras e seus fornecedores?

O uso da tecnologia aponta duas vertentes: acelerar a extração de informações úteis para a tomada de decisão ou também para identificar riscos no dia-a-dia de forma certeira, com rotinas que realizam validações entre as obrigações e entre as operações da empresa, dos seus fornecedores e clientes.

Mais do que conectar a empresa, a Indústria 4.0 propõe um novo e atraente modelo de negócio, com aumento de produtividade, redução de custos em todas as áreas, otimização de recursos e aumento de qualidade sobre os produtos e serviços por meio da conectividade.

É uma nova organização da empresa, com mais controle das suas operações que vai gerar o aumento da competitividade e sustentabilidade dos negócios.

Por Jersony Souza, diretor de Operações da Becomex

Gostou desse post? Compartilhe!