- Início

- Conteúdo

Estresse Afeta 72% Dos Profissionais Brasileiros E Impacta Empresas

Compartilhe Este Post

Trabalho faz bem para saúde física e mental, mas quando em excesso pode prejudicar (e muito) a qualidade de vida dos profissionais. Segundo pesquisa da Isma-BR (representante da International Stress Management Association), 72% dos brasileiros que estão no mercado de trabalho sofrem alguma sequela ocasionada pelo estresse. Desse total, 32 % sofrem de burnout e destes, 92% continuaram trabalhando mesmo doentes.

Quando pensamos em qualidade de vida, nos imaginamos com aquela sensação de bem-estar, satisfação com corpo e mente em equilíbrio. Porém, o conceito é bem mais abrangente do que isso.

A qualidade de vida envolve uma série de fatores que influenciam positivamente na vida das pessoas, como relacionamentos, saúde e educação, poder de compra, habitação, satisfação física, emocional e profissional. No trabalho a qualidade de vida está relacionada a fatores como infraestrutura adequada e a qualidade do ambiente corporativo.

Se os profissionais não tiverem equipamentos adequados que contribuam para postura correta, pausas ao longo da jornada e passarem a maior parte do seus dias em um ambiente caracterizado por cobrança excessiva, competição exagerada, clima de inimizade, ambiente com pessoas robotizadas e chefe tóxico o resultado refletirá na saúde física e emocional dos trabalhadores que começarão a ficar doentes.

Mas o que as empresas podem fazer para proporcionar qualidade de vida aos colaboradores?

O que é qualidade de vida?

O termo “qualidade de vida” está relacionado à saúde e ao bem-estar físico, funcional, emocional e mental. Também podemos relacioná-lo a elementos importantes como trabalho, família e amigos. Se formos analisar a etimologia, o termo qualidade deriva do latim “qualis”, que significa o modo de ser de alguém ou de um grupo, seja positiva ou negativamente. No trabalho o tema também é conhecido pela sigla QVT.

Como o trabalho impacta na qualidade de vida dos colaboradores?

Principalmente, nos dias de hoje em que a maioria dos profissionais sente-se constantemente defasado em relação às qualificações para a sua atividade profissional, provenientes do contínuo avanço da tecnologia e também por algumas políticas que exigem ininterrupta superação, além da “necessidade” de estar conectado o tempo todo, o trabalho traz sérios impactos para a saúde física e emocional dos profissionais.

Quando o impacto é negativo o resultado é absenteísmo, baixa produtividade, elevado nível de irritabilidade, clima organizacional ruim, dificuldades de comunicação e alto índice de turnover, entre outros.

Os profissionais passam a maior parte do seu tempo ativo dentro do trabalho, sendo assim, quando não encontram bem estar no trabalho, provavelmente, os danos não são apenas no ambiente organizacional, mas também no pessoal, familiar e social. Sendo assim, é válido concluir que: a verdadeira politica de gestão de pessoas tem uma visão além da carreira, ela contempla o indivíduo de forma sistêmica.

A importância dos Programas de Qualidade de Vida para as Empresas

O Programa de Qualidade de Vida são ações planejadas que visam gerar a promoção da saúde (portanto, a prevenção de doenças) e a melhoria do bem estar de profissionais.

Para melhor efetividade das ações é recomendado que elas sejam definidas a partir da necessidade específica de cada empresa. Para isso, é realizado um mapeamento de saúde no qual é diagnosticado o estado de saúde geral de cada colaborador e elaborado um relatório corporativo, identificando, quais são as ações prioritárias para a empresa.

As ações visam atuar de forma individual ou simultaneamente em cinco pilares essenciais para a qualidade de vida: alimentação saudável, relações sociais, equilíbrio mental, atividades físicas e qualidade do sono.

Entre as ações mais adotadas pelas empresas estão: programas nutricionais, de atividades físicas, laborais e de combate ao estresse.

O resultado dos programas de qualidade de vida nas empresas são:

- profissionais mais motivados e produtivos;

- melhoria no clima organizacional;

- redução do absenteísmo (inclusive oriundas de doenças físicas e psicológicas);

- maior engajamento com a empresa;

- diminuição na taxa de turnover;

- mais facilidade para atração e retenção de talentos;

- aumento da produtividade;

Vale concluir que estudo realizado indicou que as empresas que investiram em qualidade de vida observaram uma melhoria de 91% no clima organizacional, de 86% na produtividade e de 70% na rentabilidade.

Por Osvaldo Stevano, diretor da Maratona Qualidade de Vida

Gostou desse post? Compartilhe!