- Início

- Conteúdo

Espelho, espelho meu, que tipo de líder sou eu?

Coluna 488

Compartilhe Este Post

Um bom líder começa liderando a si mesmo e, para isso, é fundamental conhecer esse ser humano extraordinário, repleto de virtudes e de oportunidades de aprendizados, e, assim, tem início a história de um novo líder narrada pelo próprio autor: você.

Como em qualquer autobiografia que se preze, você a escreverá na primeira pessoa do singular. Para auxiliá-lo nessa etapa, iremos recorrer à comunicação intrapessoal, o diálogo interno, ou seja, irá falar consigo mesmo, olhar para dentro de si e descobrir ou redescobrir a pessoa que você é.

Lembre-se, onde quer que você atue ou irá atuar como líder – seja em uma pequena ou uma grande organização, seja com um pequeno ou um grande número de pessoas – precisará ter muita clareza sobre QUEM É VOCÊ!

E é sobre isso que você escreverá a seguir.

Inicie como preferir, colocando resumidamente seu nome, descrição física e/ou do seu temperamento, um breve currículo e preferências pessoais de lazer. Por exemplo:

“Meu nome é P, meu apelido Ted. Tenho (...) anos, minha profissão é (.........). Me considero uma pessoa extrovertida e adoro jogar tênis. Fisicamente, sou do tipo...”

Caso não consiga escrever mais do que cinco linhas, use uma técnica simples: imagine que está em uma sala de espelhos, onde as paredes, teto e chão refletem você. A sua única opção é ver-se sob todos os ângulos – a não ser que feche os olhos e prefira desistir, mas, como líderes não fecham os olhos diante da realidade, sei que você não irá desistir.

Agora, diga: o que você vê ao se olhar? Uma boa tática é responder a si mesmo as seguintes perguntas: quem sou eu?  Qual o meu propósito? Qual a minha missão pessoal? O que é realmente importante para mim? O que pretendo fazer para conseguir o que desejo?

Muita gente, nesta fase de redescoberta e reconhecimento, sente-se inquieta, olha o relógio, tem vontade de deixar para continuar sua autobiografia amanhã. Isso ocorre geralmente porque “vemos” alguma característica da qual não gostamos, por exemplo, egoísmo, intolerância e inveja.

Ninguém quer se defrontar com esse tipo de característica e embaçar a imagem que tem de si mesmo. Se isso serve de consolo, acontece com 100% das pessoas. É como eu digo:  nada mais humano do que SER humano, o que significa possuir grandezas e fragilidades

Faça uma lista de suas grandezas e outra de suas fragilidades. Faça tudo com sinceridade. É fundamental evitar a grande tentação de enganar a si mesmo. Lembre-se, essa é uma “conversa” entre você e você! O famoso “diálogo interno”.

Está com dificuldade neste passo? Existem ferramentas que podem ser de grande ajuda, como os testes e descrições de classificação de tipos. Particularmente, acho muito eficientes os perfis apresentados pelo Eneagrama, DISC, MTBI. Se tiver informações oriundas desses perfis, ótimo, inclua-as.  Liste as que mais se enquadram no seu perfil atual e passe resumidamente para a sua autobiografia. Se não tiver essas informações, não tem nenhum problema, o resultado, ao final, será o mesmo - AUTOCONHECIMENTO.

A seguir, fale sobre a sua imagem externa, sobre como acha que as pessoas veem você, o que costumam dizer sobre você. Importante também descrever como é o seu relacionamento com as pessoas. Você tem muitos amigos, pratica a reciprocidade?

Já temos aí um bom começo. Mas uma autobiografia interessante também revela conceitos de vida, sentimentos, valores! São características como essas que farão de você uma pessoa única, um líder com luz própria. Isso pode significar entrar em outra “sala de espelhos”, dessa vez uma sala interior, dentro da sua mente, dentro do seu coração. Quais são suas crenças? Quais são os seus valores?

Sugiro fazer uma relação de 50 características positivas e 50 características negativas que julga possuir. Precisa de ajuda? Quer alguns exemplos?

Como positivas, pode ser que você tenha bondade, determinação, seja uma pessoa organizada, tenha bom senso, força de  vontade, entusiasmo, amorosidade, integridade, honestidade e como aspectos negativos, pode ser que você seja uma pessoa procrastinadora, impaciente, autoritária, mesquinha, exigente e tantas outras possibilidades.

Poderá escrever o que julga necessário mudar em você.

Proponho, já que topou embarcar nessa reflexão, ir além, revendo sua vida sob diversos ângulos, como segue:

Corpo e saúde - Como cuida da sua saúde, se é que dela cuida, quer seja fazendo um check up periódico, alimentando-se adequadamente, fazendo algum exercício físico, cuidando das suas feridas físicas e emocionais. Escreva como faz, como está nesse contexto, se está deixando aquele problema para ser resolvido depois, aquela pequena cirurgia, aquele tratamento, aquele regime, aquela fisioterapia. Escreva, afinal, um bom líder cuida de si, dá exemplos, mostra caminhos.

Intelectualidade - Preparando-se para o novo, fazendo cursos de atualização, acompanhando os avanços tecnológicos, as tendências, ensinando, compartilhando seus saberes, buscando a especialização necessária para a melhor adaptação às novas circunstâncias, preparando-se para aprender, desaprender e reaprender de novas maneiras em um mundo cíclico e de transformações substanciais.

Espiritualidade - Sua conexão com a sutileza da percepção das forças invisíveis da sensibilidade, da intuição, da integração com o todo, com o Cosmos, com a Natureza, com a sustentabilidade, com o cuidado com o planeta, com as pessoas. Tem a ver com o que lhe é sagrado e sentindo-se parte integrante de um todo muito maior do que nós mesmos.

Social - Somos animais sociais e vivemos em sociedade, compartilhando, aprendendo, vivendo, trocando, nos relacionando, temos nossos amigos, as pessoas com as quais gostamos de estar. Escreva na sua autobiografia como está nesse item, se tem muitos amigos, se é extrovertido, tem facilidade de relacionamentos, se é só ou prefere viver mais isolado.

Trabalho e vida financeira - Como andam suas finanças? Foi atropelado pela pandemia? Conseguiu manter seu status? É do tipo empreendedor? E o seu trabalho? Como está? Faz o que gosta? Tem prazer em fazer o que faz? O que precisa fazer para progredir? Está bom do jeito que está? Escreva a respeito na sua autobiografia.

Esse primeiro passo começará a transformar a sua forma de ver a si e aos outros. E levará ao seu rosto uma expressão franca e confiante esperada de um líder que vive consciente do seu tempo e da sua responsabilidade sobre a vida de outras pessoas.

 Por Reinaldo Passadori, Mentor, fundador e CEO da Passadori Comunicação, Liderança e Negociação. Adaptação do seu livro ‘Quem Não Comunica Não Lidera’ – Ed. Passadori. É um dos colunista do RH Pra Você. O conteúdo dessa coluna representa a opinião do colunista. Foto: Divulgação.

Você também vai gostar