- Início

- Conteúdo

Elas Cria Treinamento Intensivo Para Superar A Síndrome Do Impostor

Compartilhe Este Post

De acordo com estudo realizado pela psicóloga Gail Matthews, da Universidade Dominicana da Califórnia, nos Estados Unidos, a Síndrome do Impostor atinge, em menor ou maior grau, mais de 70% dos profissionais bem-sucedidos. 

Autossabotagem, não se sentir merecedor(a) de suas conquistas, elevado nível de estresse, dificuldade em aceitar elogios, insegurança e perfeccionismo são alguns dos sintomas característicos dessa síndrome, que pode acarretar doenças graves, como transtorno de ansiedade e depressão. 

Pensando nisso, a ELAS, primeira escola brasileira de liderança feminina, lançou em outubro o treinamento de alto impacto, com duração de 12h, para que mulheres aprendam a lidar com a Síndrome do Impostor e superá-la. O objetivo é ajudá-las a combater uma das origens mais comuns de transtornos depressivos e ansiosos no ambiente de trabalho. 

"A pesquisa de Gail mostra que a Síndrome do Impostor afeta principalmente as mulheres. Por isso, focamos em desenvolver competências para que essas mulheres atinjam destaque em suas vidas pessoais e profissionais. Outro ponto fundamental é que, na imersão, teremos 12 horas para trabalhar com as alunas a capacidade de reconhecer o próprio potencial e fazê-las se perceberem como merecedoras de sucesso", afirma Carine Roos, cofundadora da escola. 

A segunda edição do ELAS Day acontece no dia 23 de novembro, das 9h às 21h, no Spaces da Vila Madalena.

Impacto 

Iniciativas como esta têm alto potencial de impacto para além das vidas individuais de quem se propõe a enfrentar essas questões. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, mais de 260 milhões de pessoas convivem com transtornos de ansiedade pelo mundo. Os gastos relacionados a quadros de transtornos mentais custarão à economia mundial US$ 6 trilhões até 2030. 

Estudo da Organização Mundial da Saúde destaca que cada dólar investido na expansão do tratamento de transtornos mentais comuns - como depressão e ansiedade - resulta em um retorno de quatro dólares em melhores condições de saúde e capacidade de trabalho. Ainda assim, o investimento em saúde mental cresce de forma insuficiente.

Treinamentos como o Programa ELAS, que já ajudou e certificou 500 mulheres, e agora o Day Training, são soluções para mulheres que, muitas vezes, apresentam esses sintomas sem ao menos percebê-los. "Trabalhamos para que elas se tornem mais estratégicas no ambiente de trabalho, exercendo uma maior capacidade de se posicionarem, lidar com relações de poder de forma mais assertiva, falar sobre resultados, blindar suas emoções, reduzir o nível de estresse e ansiedade", explica Amanda Gomes, cofundadora da ELAS.

Gostou desse post? Compartilhe!