- Início

- Conteúdo

Dia Mundial do Meio Ambiente: a sustentabilidade no mundo corporativo

E-book 433

Compartilhe Este Post

A sustentabilidade empresarial tem acompanhado as necessidades e exigências da sociedade, mas também se tornou um recurso estratégico nas organizações. Segundo pesquisa da KPMG, realizada em 2017, 78% das maiores companhias globais colocam informações sobre responsabilidade corporativa (tema que engloba a contribuição dos negócios em relação a problemas sociais, ambientais e econômicos) em seus relatórios financeiros. 

Pela primeira vez em dez anos de existência do relatório, mais de 60% das empresas de todas as indústrias falam hoje sobre o assunto, sendo que os principais tópicos dentro desse escopo são mudanças climáticas, objetivos sustentáveis da Organização das Nações Unidas (SDGs) e direitos humanos. 

De acordo com Eder Magnani, sócio fundador da TRILHA Pessoas e Organizações, empresas e consumidores têm demonstrado cada vez mais envolvimento com a questão. O foco, porém, é identificar de que forma vem sendo incorporada, principalmente quando relacionada com a estratégia das companhias.  

“A sustentabilidade foi introduzida na agenda das organizações pelo conceito de gestão sustentável que visa a adoção de estratégias e iniciativas que atendam às necessidades das empresas e dos diferentes stakeholders, enquanto protegem, mantêm e melhoram os recursos humanos e naturais que podem ser necessários no futuro”, afirma Magnani. 

Conforme explica o profissional, a sustentabilidade corporativa resulta na incorporação dos objetivos de desenvolvimento sustentável, equidade social, eficiência e desempenho ambiental dentro das práticas operacionais. Essa abordagem, que engloba as dimensões econômica, social e ambiental, é conhecida como Triple Bottom Line (Tripé da Sustentabilidade, em tradução literal).        

Criado nos anos 1990 por John Elkington, cofundador da organização não governamental internacional SustainAbility, o termo é usado como um paradigma para avaliar o sucesso de uma instituição na aplicação da temática. Segundo Magnani, a definição mais utilizada defende a ideia de que a sustentabilidade econômica como condição isolada não é suficiente para a global de uma empresa e, por isso, os aspectos econômico, social e ambiental devem ser integrados. 

“Essa integração gera ações que levam a sustentabilidade a compor na estratégia empresarial. Assim, ela somente ocorrerá quando as condições econômicas e sociais forem melhoradas ao longo do tempo sem exceder a capacidade ambiental”, pontua o sócio da TRILHA Pessoas e Organizações.

Quer continuar lendo sobre como a sustentabilidade pode ser um diferencial estratégico para as organizações? O eBook completo continua em https://materiais.rhpravoce.com.br/ebook-sustentabilidade-empresarial. É gratuito! Baixe agora!

Você também vai gostar