- Início

- Conteúdo

Como trazer todo o seu eu para o trabalho

Carreira 377

Compartilhe Este Post

“Quando deixamos de nos esconder e nos tornamos vulneráveis, o nosso ambiente de trabalho é mais agradável - e produtivo - para todos”, coloca Mike Robbins, autor do recente livro Bring your whole self to work (Como trazer todo o seu eu para o trabalho). No livro, Mike ressalta que o sucesso passa pela disposição do profissional em se dedicar ao trabalho que faz. “Isso significa mostrar-se autenticamente. Eu argumento que, independentemente de onde você trabalha, que tipo de trabalho você faz, ou com quem você trabalha, é possível mostrar mais do seu verdadeiro eu e tornar-se mais satisfeito, eficaz e livre. E se você é proprietário de uma empresa, líder ou apenas alguém que deseja ter mais influência, a liderança com autenticidade permite que você influencie a cultura de sua equipe para que ela seja mais autêntica também - o que liberará mais criatividade, conexão e desempenho para sua empresa”.

No artigo, o autor lista cinco práticas específicas para o profissionais ser mais eficaz, bem-sucedido e engajado no trabalho, incentivando os outros a seguir sua liderança.

Seja autêntico

A base de trazer todo o seu eu para o trabalho é a autenticidade, que é mostrar honestamente, sem justiça própria e com vulnerabilidade. Eu chamo isso de Equivalência de Autenticidade: Honestidade - Auto-Retidão + Vulnerabilidade = Autenticidade. É preciso coragem para ser autêntico e essencial para a confiança, o crescimento e a conexão. Algumas coisas simples que podemos fazer para ser mais autênticos no trabalho são admitir quando não sabemos algo, reconhecer quando cometemos um erro ou pedir ajuda de uma forma genuína. Tudo isso exige coragem e exige que abracemos a vulnerabilidade e abandonemos nossa necessidade de estar certo. Um estudo recente conduzido por Mark Fotohabadi e Louise Kelly, publicado no Journal of General Management, mostrou que líderes mais autênticos tendem a se envolver em comportamentos de conflito ativos e construtivos - coisas como ampliar a lente para considerar pontos de vista alternativos ou admitir sua parte na criação de conflitos. Em outras palavras, ser autêntico é essencial para resolver o conflito no trabalho de maneira produtiva e positiva. Ele também está preso a menos desgaste, porque ajuda as pessoas a lidar mais facilmente com trabalhos que envolvem muito trabalho emocional.

Utilize o poder da apreciação

Mostrar valorização é fundamental para construir relacionamentos fortes, manter as coisas negativas em perspectiva e capacitar as equipes. No entanto, é diferente de oferecer reconhecimento. Muitas vezes pensamos que essas coisas são as mesmas, especialmente em ambientes profissionais; mas o reconhecimento é baseado em resultados ou desempenho - o que as pessoas fazem ou produzem - enquanto a valorização é sobre o valor inerente das pessoas ou quem elas são. É claro que queremos fazer o que pudermos para efetivamente reconhecer resultados bem-sucedidos, como resultados de vendas, projetos concluídos ou ideias implementadas. Mas por trás de todo sucesso ou fracasso está um ser humano vivo e que respira. Valorizar é focalizar nossa gratidão pelo esforço das pessoas, bem como as qualidades e características humanas que eles possuem e que valorizamos - como humildade, bondade ou humor - independentemente dos resultados. É algo que podemos expressar a qualquer momento. De acordo com uma pesquisa conduzida pela Glassdoor, um site de recrutamento e recrutamento de empregadores, 53 por cento dos funcionários disseram que ficariam mais tempo na empresa se sentissem mais apreço por parte do chefe, e 81 por cento dos funcionários disseram que estavam motivados a trabalhar mais se eles se sentissem apreciados. E a pesquisa sugere que a gratidão - uma prima próxima de apreciação - pode realmente transformar os locais de trabalho, trazendo benefícios de saúde, felicidade e satisfação no trabalho aos funcionários, além de um melhor relacionamento com os colegas de trabalho.

Concentre-se na inteligência emocional

Sua inteligência emocional é tanto sobre você (ter autoconhecimento e ser capaz de gerenciar suas emoções) e sobre como você se relaciona com os outros (sendo socialmente consciente e gerenciando relacionamentos). Ela é frequentemente mais importante para o sucesso do que suas habilidades profissionais, QI e experiência, de acordo com muitos especialistas. Algumas pesquisas descobrem que os empregadores valorizam a Inteligência Emocional como muito ou mais do que outras habilidades profissionais. David Caruso, do Centro de Inteligência Emocional de Yale, diz: "É importante entender que a inteligência emocional não é o oposto da inteligência, não é o triunfo do coração - é a intersecção única de ambos". A inteligência emocional pode ajudar a evitar o desgaste do trabalho e pode melhorar o desempenho em determinadas tarefas.

Uma das melhores maneiras de construí-la é cultivar uma prática regular de atenção plena. Seja uma forma específica de meditação ou simplesmente usar um dos novos aplicativos populares, reservar um tempo para parar, respirar e centralizar-se em uma base regular nos permite ser mais autoconscientes e gerenciar nossas emoções de maneira mais eficaz. E a atenção plena geralmente leva a mais compaixão e compreensão dos outros, o que nos ajuda a gerenciar com sucesso nossos relacionamentos.

Abrace uma mentalidade de crescimento

Ter uma mentalidade de crescimento significa abordar seu trabalho e sua vida com um entendimento de que você pode melhorar em qualquer coisa, se estiver disposto a trabalhar duro, se dedicar e praticar. É sobre olhar para tudo que você experimenta (até mesmo, de fato, especialmente, seus desafios) como oportunidades de crescimento e aprendizado. A professora de Stanford, Carol Dweck, faz uma distinção entre uma mentalidade de crescimento e uma mentalidade fixa (a crença de que nossos talentos são presentes inatos com os quais nascemos ou não, e que não podem ser alterados). Por meio de sua pesquisa, Dweck descobriu que os funcionários com mentalidade de crescimento têm 47% mais probabilidade de dizer que seus colegas são confiáveis, 34% mais propensos a ter um forte senso de comprometimento com sua organização e 65% mais propensos a dizer que sua organização apoia, levando em comparação com seus pares de mentalidade fixa. Tentar coisas novas, especialmente aquelas que nos assustam e nos empurram para fora da nossa zona de conforto, é uma ótima maneira de praticar com uma mentalidade de crescimento.

Crie uma equipe de campeonato

As pessoas com quem você trabalha e o ambiente ao seu redor têm um impacto significativo na sua capacidade (ou incapacidade) de aparecer, se envolver e prosperar. Ao mesmo tempo, quanto mais você estiver disposto a trazer todo o seu ser para o trabalho, mais impacto terá sobre os outros. Criar uma equipe de campeonato é construir uma cultura que seja propícia para as pessoas serem elas mesmas, se preocuparem umas com as outras e estarem dispostas e capazes de fazer um ótimo trabalho em conjunto.

O Google conduziu um projeto de pesquisa aprofundado entre 2012 e 2014, chamado Projeto Aristóteles, com o objetivo de determinar os principais fatores que contribuem para as equipes de alto desempenho. Envolveu a coleta e avaliação de dados de 180 equipes em toda a empresa, bem como a análise de alguns dos estudos mais recentes nos campos da psicologia organizacional e da eficácia da equipe.

De acordo com as descobertas, o elemento mais importante do sucesso da equipe é o que é conhecido como segurança psicológica: uma cultura de confiança em que as pessoas se sentem seguras para falar, assumir riscos e saber que não serão ridicularizadas por cometer erros ou discordar. Quando essas ações - falar, assumir riscos e possuir erros - são modeladas e celebradas, especialmente por aqueles em posições de liderança, isso permite que a equipe e o ambiente sejam o mais seguros possível.

“Esses conceitos são bastante fáceis de entender na superfície. Mas, como muitos aspectos importantes da vida, crescimento e negócios, não é o entendimento deles que faz a maior diferença; é a sua aplicação. E a aplicação dessas ideias requer coragem real. As atividades, relacionamentos e metas que mais importam para nós (pessoal e profissionalmente) sempre envolverão vulnerabilidade, o que o Dr. Brené Brown, da Universidade de Houston, define como “exposição emocional, risco e incerteza”. A notícia é que, se você estiver disposto a levar todo o seu ser para o trabalho, pode expandir o impacto, a influência e o sucesso do seu trabalho e da sua vida ... E ajudar os outros a fazer o mesmo”, finaliza Mike Robbins.

Fonte: Greater Good Magazine