- Início

- Conteúdo

Como otimizar o processo de contratação em massa

Compartilhe Este Post

Datas comemorativas que carregam a tradição da compra de presentes (a Páscoa está logo aí!) são épocas de ouro para o varejo. Apesar dos negócios online estarem cada vez mais em crescimento, as lojas físicas ainda são muito procuradas durante esses períodos, o que estimula a contratação de colaboradores temporários para as unidades.

Porém, nem sempre esse processo de admissão é fácil de ser trilhado. Por conta da quantidade elevada de vagas, não é difícil encontrar empresas que tenham altos custos para terceirizar a seleção (e até mesmo a contratação) ou que enfrentam problemas em relação ao tempo gasto para recrutar, entrevistar e admitir. Além disso, também não é incomum que, por conta do pouco tempo para fechar muitas vagas, pessoas que não têm o perfil procurado não se adaptem ao serviço ou o abandonem pouco tempo após iniciar (ou sequer o façam).

Em meio a esse panorama, a Levee, empresa brasileira de tecnologia fundada em 2016, oferece ao mercado uma plataforma que tem o machine learning, a análise preditiva e o people analytics como ferramentas para trazer uma importante solução à questão.

Marcelo Salles, vice-presidente de vendas da organização, explica que “a plataforma utiliza recursos tecnológicos que permitem automatizar o processo de recrutamento e seleção da mão de obra operacional das empresas”. O executivo ressalta que a inteligência do sistema da Levee reduz tempo e esforço tanto do RH quanto da gerência durante a seleção, uma vez que a própria ferramenta faz a triagem que identifica quais são os candidatos que mais se encaixam no perfil do que a empresa procura. Desse modo, os Recursos Humanos podem desempenhar funções mais estratégicas enquanto a automatização elimina etapas que exigem alta demanda de tempo e também de gastos.

Contratei! Mas, como mantenho?

Salles acrescenta que tão desafiador para as organizações quanto os processos de seleção em si é a retenção dos talentos. “O turnover é hoje um problema muito grande para empresas brasileiras que empregam mão de obra operacional em volume”, aponta.

Segundo o VP, da mesma forma que as empresas se atentam aos gastos legais das demissões, é necessário que gestores tenham atenção aos custos de treinamento, que aumentam conforme o turnover cresce. “A empresa sofre impacto na operação, uma vez que a produtividade é comprometida e as equipes parecem sempre ter pouco tempo de casa, o que torna o atendimento ao cliente menos satisfatório”, diz Marcelo. “Então, a gente faz uma análise de dados do histórico de folha de pagamento, do histórico de contratações e demissões das empresas, e assim visamos identificar o perfil daquela empresa e consequentemente o perfil do colaborador que tende a ficar mais tempo naquele local, assim como o profissional que tende a ficar menos. Identificamos padrões de comportamento e características entre aqueles que queremos privilegiar para aquela empresa e para os que não queremos”, complementa.

A plataforma da Levee atua em grandes empresas varejistas como Pernambucanas, C&A, Lê Postiche, além de empresas do setor de saúde como a DASA e do setor de serviços como a G4S. O processo de contratação via o sistema garante a contratação de colaboradores até 25% mais produtivos, além de apresentar significativa taxa de diminuição no turnover.

Salles enfatiza que, em média, no processo de seleção tradicional, as organizações levam em média de 20 a 30 dias para concluir a reposição de um funcionário demitido, e esses dias podem apresentar perda de faturamento e queda de qualidade de atendimento. Em meio a isso, a inteligência artificial da Levee visa não só garantir os profissionais mais adequados a cada tipo de empresa, mas também diminuir consideravelmente o SLA de contratação.