- Início

- Conteúdo

Como garantir presença no ambiente digital

Coluna 203

Compartilhe Este Post

A transformação digital já era esperada, mas, sem dúvida, o Coronavírus acelerou e potencializou esse processo. Neste movimento, a Posiciona, empresa da qual sou CEO, também precisou iniciar o processo de transformação, pois sempre estivemos muito ligados a ações presenciais. O desafio é como elaborar ações que consigam manter a presença e a conexão com as pessoas, mesmo sem estarmos fisicamente próximos?

Leonardo Da Vinci tem uma frase que diz “Estar junto não é estar perto, estar junto é estar dentro.” Essa frase nos faz pensar em presença e proximidade. Estamos em isolamento social, porém nunca estivemos tão conectados.

Se voltarmos no tempo, há cerca de 10 anos falava-se muito no EAD, ou ensino a distância, que veio com muita força, com cursos massivos para milhares de pessoas. Porém o método se tornou algo obrigatório e não com participação espontânea. A força do crachá fazia a equipe participar, mas será que as pessoas participavam ou apenas assistiam?

Nessa transição para o digital, algumas empresas vão conseguir lidar melhor do que outras. Nos encontros presenciais conseguimos rapidamente saber se houve presenteísmo e não apenas presença física, porém em eventos assíncronos, nem sempre essas reações são possíveis de ser percebidas.

Uma dica importante para ter efetividade nas ações digitais é descobrir o que motiva a participação, saber qual é o melhor momento de dar o conteúdo e como comunicar.

Uma pesquisa da Global Human Capital Trends traz 3 premissas sobre a expectativa de aprendizagem dos colaboradores em uma organização, que você deve levar em consideração.

São elas:

Dinâmica – Com interações e um formato diferente do EAD tradicional que é assincronicidade e não torna o aprendizado dinâmico;

Autodirigida – eu posso escolher o que faz sentido para mim – a empresa pode ajudar a despertar em mim a necessidade de desenvolver alguma competência;

Processo continuado – life long learning, porém com curadoria e conexão com necessidade do conteúdo a ser apresentado.

Se descobrirmos o porquê a pessoa quer aprender algo, conseguimos fazer uma forte conexão com as demais etapas do processo. O momento agora não exige calma e sim alma. Seja intenso. Faça coisas que gerem impacto, na sua vida, na das pessoas ao seu redor e no mundo.

Por Carolina Manciola, sócia diretora da Posiciona Educação & Desenvolvimento e escritora do livro "Bora Bater Meta". É uma das colunistas do RH Pra Você. O conteúdo dessa coluna representa a opinião do colunista.

Você também vai gostar