- Início

- Conteúdo

Como A Vendemmia Fez Da Meritocracia O Seu Modelo De Engajamento

FINANÇAS

Compartilhe Este Post

No Brasil, se fortaleceu um preconceito referente ao termo meritocracia. O conceito, muitas vezes relacionado às condições e capacidades sociais, financeiras, educacionais e profissionais dos indivíduos, tem no senso comum a visão de que minorias não são capazes de concorrer em igualdade de condições com quem desde cedo herda de “privilégios”, seja qual for o panorama. Entretanto, um bom e acima de tudo justo trabalho meritocrático se apresenta como ferramenta eficaz de engajamento, ganho de produtividade e desenvolvimento pessoal e empresarial. Um exemplo que ilustra bem isso é a parceria entre a Vendemmia, empresa cujo DNA é a proximidade e a transparência nos negócios de comércio internacional, e a Remunerar, consultoria que desenvolve soluções inteligentes de remuneração e recompensa.

De acordo com Luciano Costa Ricci, sócio da Vendemmia, o trabalho entre as empresas surgiu da necessidade de se potencializar uma das principais práticas da organização: o trabalho com o engajamento “A gente sempre trabalhou muito forte com a questão do desenvolvimento e do bem-estar dos nossos colaboradores. Há alguns anos criamos, por exemplo, uma prática de meditação interna. Nos preocupamos com a sua saúde mental, com sua motivação, com a redução do seu estresse. Mas, mesmo diante disso, identificamos que ainda faltava fazer um alinhamento referente à remuneração”, explica o executivo.

Marcelo Samogin, Diretor da Remunerar, conta que esse trabalho com o engajamento da equipe de trabalho é conduzido pela oferta de salários, benefícios e bonificações justas e tangíveis por meio de um modelo meritocrático. Para isso, um desenho de gestão foi criado sob aspectos da reforma trabalhista de 2017, no qual dois pontos de discussão específicos foram essenciais para a consolidação do projeto:

  1. O artigo 461 da CLT reformado, que desobriga a empresa do risco de equiparação salarial quando os cargos estão organizados em quadros de carreira;
  2. Extinção da natureza salarial para bonificações por desempenho (artigo 611-a), tratadas na reforma trabalhista como salários por produtividade.

Nesse cenário, como ressalta Samogin, foi desenvolvido o modelo de meritocracia baseado em desempenho da empresa e evolução profissional pessoal. Desta forma, destacou-se a importância de sincronizar indicadores de desempenho da operação e crescimento do conhecimento instalado, como competências técnicas e conhecimento assessório para execução dos processos internos de trabalho.

Por meio do modelo traçado pela Remunerar, o projeto foi conduzido por transparência e tangibilidade. Com isso, a empresa identificou os seguintes ganhos:

  • Evolução da descrição dos cargos para um modelo de avaliação de desempenho completo (evolução de carreira e indicadores operacionais);
  • Refinamento dos indicadores de mensuração de desempenho;
  • Engajamento maior por parte colaboradores, com a compreensão da empresa como um organismo único cujo sucesso vem do sincronismo das operações;
  • A percepção da meritocracia baseada no desempenho combinado entre empresa e a atitude profissional.

“Meritocracia é um conceito complexo. Ele não se remete somente àquele que tem mais mérito, mas sim àquele que contribuiu mais para o mérito da empresa como um todo. Nós criamos uma ferramenta na qual não só a produtividade do indivíduo é determinante. Para nós, é injusto medir unicamente um indivíduo se ele faz parte de um todo. A empresa criou o Índice Vendemmia de Produtividade (IVP) e no início deste ano ele foi apresentado aos nossos colaboradores. A nossa percepção foi de um crescimento considerável do engajamento e da satisfação dos colaboradores, muito por conta da transparência adotada”, pontua Ricci.

Para Rafael Augusto Puglia, também sócio da Vendemmia, o novo desenho da bonificação teve como principal mudança a quebra da porcentagem de bônus de acordo com o salário. “Esse é um modelo que, por mais que tente na porcentagem avaliar o mérito, acaba sendo injusto, pois quem recebe um salário menor vai, consequentemente, sempre receber uma bonificação inferior a quem tem rendimentos mais altos. Uma vez que as distorções foram identificamos, lapidamos o projeto”. A ideia é que cada colaborador tenha três metas individuais e três metas em equipe, cada uma com seus pesos e a existência de uma média que determinará a remuneração do funcionário.

Puglia pontua também que a cultura do autoconhecimento e da autorresponsabilidade existente dentro da Vendemmia sempre foi um dos principais pilares da organização, o que ajudou na construção de um trabalho bem-sucedido com a Remunerar. “Não adotamos práticas ou ações porque são tendências. Nós seguimos de acordo com nossas necessidades e propósitos. Identificamos os colaboradores alinhados a nossa cultura de autoconhecimento e trabalhamos seu desenvolvimento e atuamos com meritocracia. Sempre fizemos esse trabalho, tanto espiritual quanto financeiro, com a pessoa física e agora estamos incorporando também à pessoa jurídica”, finaliza.

Gostou desse post? Compartilhe!