Em todo o mundo, menos de 5% das grandes empresas são comandadas por mulheres, segundo a lista da Fortune 500. No Brasil, elas também são minoria em cargos de liderança e a diferença salarial entre pares do sexo oposto pode chegar a 23%, de acordo com dados da ONU Mulheres em 2017.

Dados do Movimento Mulher 360, iniciativa empresarial que conta com 45 empresas associadas e que busca orientar e engajar as empresas em prol do desenvolvimento econômico da mulher, mostram, no entanto, que grandes corporações vêm trabalhando para mudar esse cenário e incentivar a presença feminina no ambiente corporativo. Das empresas associadas ao Movimento, por exemplo, 70% possuem metas definidas para reduzir a diferença na proporção de homens e mulheres em seu quadro de colaboradores e exigem que haja candidatas mulheres em seus processos seletivos. Outros 65% possuem ações para assegurar a presença de mulheres no plano de sucessão de posições de liderança.

Entre as empresas associadas, 84% têm também um Vice-Presidente ou Diretor responsável por acompanhar a temática de equidade de gênero na empresa. Esse mesmo percentual possui um comitê executivo que acompanha os indicadores de como as mulheres estão na empresa e desenvolvem planos de ações para promoção de mulheres para posições de liderança.

Ainda segundo o Movimento, 87% das organizações associadas possuem um conjunto de indicadores de equidade de gênero que é monitorado regularmente. A mesma porcentagem utiliza informações provenientes da avaliação desses indicadores para subsidiar o planejamento de ações com foco na valorização das colaboradoras.

Para dar mais visibilidade ao tema e engajar a alta liderança das empresas associadas o Movimento Mulher 360 promoveu o evento "Café da Manhã com CEOs". A 5ª edição da iniciativa foi realizada nesta terça (4), na sede da farmacêutica Sanofi, em São Paulo, e abordou o papel dos homens na promoção da equidade de gênero.

"O engajamento da alta liderança empresarial e a participação de homens nas iniciativas e debates sobre equidade de gênero e empoderamento feminino são fundamentais para oportunizar a remoção das barreiras culturais que impedem as mulheres de atingirem seus potenciais e avançarem para posições de liderança nas empresas", afirma Margareth Goldenberg, gestora executiva do Movimento Mulher 360.

A programação incluiu três painéis de debate sobre o tema, com abertura e condução da gestora executiva do Movimento Mulher 360, Margareth Goldenberg, mediadora do segundo e terceiro painel, e da Adriana Carvalho, Gerente para os Princípios de Empoderamento Econômico da ONU Mulheres, que conduziu o painel inicial. Mais de 100 convidados participaram do evento.

"Estamos honrados em receber a quinta edição do evento em nossa sede. Diversidade e equilíbrio de gênero são prioridades para a Sanofi. Temos certeza que os debates contribuíram para a formulação e o aprimoramento de políticas de diversidade no ambiente de trabalho", afirma Pius Hornstein, diretor-geral da Sanofi no Brasil.

Entre os executivos presentes no evento estavam, em cada painel:

1º Painel com CEOs: Dimitrius Oliveira (Atento), Marc Reichardt (Bayer), Carlos Gros (Brookfield Energia), José Eduardo Queiroz (Mattos Filho), Pius Hornstein (Sanofi), Liel Miranda (Souza Cruz) e Fernando Serec (Tozzini Freire)

2º Painel com CEOs: Esteban Bowles (A.T. Kearney), Manfredo Rubens (BASF), Gregório Gutierrez (Diageo), Paula Belizzia (Microsoft), Thibault Cuny (Pernod Ricard), João Campos (PepsiCo) e Gilney Bastos (White Martins)

3º Painel com VPs e Diretores: Ana Costa (Avon), Felipe Cotta (Citi), José Ricardo Amaro (Edenred), Sérgio Fajerman (Itaú), Thaís Leite (J&J) Claudio Vilardo (Kimberly Clark), Mário Leão (Santander), Maristella Iannuzzi (Schneider Electric) e Maria José Cury (PwC).