- Início

- Conteúdo

Autoconhecimento, Autoconsciência e Auto liderança

Coluna 941

Compartilhe Este Post

Autoconhecimento, Autoconsciência e Auto liderança: Um trio de Sucesso!

Por que o tema auto liderança é tão importante? Basicamente porque não dá para liderar outras pessoas sem sabermos como liderar a nós mesmos. Muitas vezes temos dificuldades em fazer uma gestão sobre nós mesmos, o que gera um conflito sério, uma vez que é impossível querer liderar outros se não se é capaz nem ao menos de se auto liderar.

A falta de auto liderança fica evidente quando, por exemplo, toma-se uma decisão e não se sabe bem por que se tomou, ou seja, não foi feita uma gestão sobre o pensamento e sentimento presentes no momento. Outro exemplo é quando se está numa reunião e de repente alguém fala alguma coisa, e por conta do que a pessoa fala, a irritação acontece e se responde o que não deve, ficando clara a pouca gestão emocional.

Quando falamos de auto-gestão e de auto liderança, necessariamente precisamos conhecer quem nós somos. Como é possível nos auto liderar se não nos conhecemos? É quase impossível. 

Aí se explica o trio de sucesso, os 3 As: o primeiro A é de autoconhecimento, o segundo é de autoconsciência e o terceiro A é de auto liderança ou de auto-gestão. 

Quantas vezes falamos:  preciso começar um regime, só que não fazemos o regime, não conseguimos liderar a nossa vontade, nem liderar o objetivo. Veja como isso é importante: mais uma vez, pense, se não consigo liderar minha vontade, meu corpo, como faço para liderar outras pessoas? Se não consigo liderar nem minhas vontades, como faço para liderar outras pessoas? Quero liderar tanto outras pessoas, mas não consigo liderar nem o meu sono, nem os meus impulsos…. Precisamos pensar um pouco sobre isso.  Quantas vezes falamos: preciso dormir cedo, preciso descansar, preciso estar bem para um trabalho que começa logo cedo, e, quando menos esperamos, nos auto boicotamos, dormimos tarde, não conseguindo fazer a tal auto liderança. 

Mas para deixar essa leitura mais interessante, vamos voltar no tempo e lembrar de quando éramos crianças. Nessa época, mães, pais ou babás, lideravam…agora é hora de dormir, agora é hora de escovar os dentes, agora é hora de comer ou agora é hora de estudar.   Mas isso um dia acaba e, se conseguimos desenvolver nossa maturidade, ninguém precisa dar comandos para se fazer o que já se sabe fazer. Por outro lado, se a maturidade, por algum motivo não foi construída, sente-se falta desses comandos e talvez haja dificuldade na auto liderança.

Quantas vezes falamos sobre a necessidade de fazer um novo curso, aprender um novo idioma, mas, pela falta de gestão, no final de um 1 mês, 2 meses ou 1 ano, nenhum curso foi feito? Mas, se a pessoa não se lidera, alguém vai lidera-la. Podem ser os movimentos naturais, outras pessoas, a família, o chefe, mas a liderança acontece de fora para dentro e, o pior é que depois há até um certo ressentimento e a velha frase…. Não tive tempo…Deixo essa liderança para o mundo, para as pessoas e depois percebo que não consegui fazer a gestão do meu tempo, não consegui fazer a gestão daquilo que era tão importante para mim.

Quando se fala em autoconhecimento, fala-se basicamente da pessoa conhecer suas características físicas, mentais, emocionais e também o lado espiritual, o que não tem nada a ver com religião, mas com espiritualidade. 

No autoconhecimento, quando se fala em dimensão física, é o corpo, a alimentação e o movimento que entram em cena. Se me conheço, sei como meu corpo funciona, como funciona meu fígado, meu batimento cardíaco, como está minha musculatura, como é meu sono. Se não me conheço, fica difícil fazer a gestão do meu corpo.  Então, muitas vezes precisamos dedicar tempo para ouvir nossas células. Existem pesquisas provando que ao trabalhar com as questões corporais, menos doenças desenvolvemos. O corpo é a nossa morada. Tem uma frase que gosto muito: “Se você não cuidar do seu corpo onde vai morar? Por mais que cuide da minha casa, mais tenho que cuidar e, na correria que vivemos, não temos uma gestão do nosso corpo. 

Um líder que quer liderar sua equipe, mas não lidera seu corpo, provavelmente irá para o trabalho com dor de cabeça, dor na coluna, com problemas estomacais e tudo isso complica a liderança. Aí entra o problema do sono, e, como participar de uma reunião, como dar um bom feedback se não se dorme bem? Além de tudo isso, o sono causa mau humor. Tal como uma criança, nada pior do que um líder com sono!!!!

Pelo contrário, se há auto-gestão e auto liderança, cuida-se do sono, cuida-se da alimentação e do terceiro ponto da dimensão física, o movimento. Quanto mais sêniores somos, menos espaço entre as juntas existe, a rigidez no pescoço e nas juntas começa a incomodar, o que é sinal de baixa auto liderança no decorrer da vida. Os movimentos adequados, esportes, trabalhos físicos, yoga, entre outros, ajudam a envelhecer de uma maneira saudável, com disposição e mais flexibilidade. 

Mas o problema não está apenas nos mais seniores, muito pelo contrário, há muitos jovens que esquecem da importância de ter um corpo preparado para o dia a dia. A musculação está em alta hoje em dia, o que já ajuda bastante, mas ainda assim fica uma pergunta: existe a consciência da importância do corpo saudável ou se quer apenas cumprir uma demanda estética? Dependendo da resposta, ficará claro se a pessoa é liderada (faz por conta da sociedade) ou se auto lidera (tem consciência da importância da sua decisão para a própria vida).

Finalizando, então, essa primeira parte desse artigo, a alimentação, o sono e o movimento são 3 aspectos fundamentais que precisam de uma boa autogestão para que se esteja bem e se consiga liderar outras pessoas. 

Reserve uns minutos e veja como está sua autogestão em relação ao seu corpo e pense em como pode liderar-se de maneira a potencializar a força do seu corpo.

No próximo artigo, continuaremos falando sobre auto liderança. Aguarde!!!

Por Fátima Motta, Profa. Dra. Fátima Motta, Sócia-Diretora da FM Consultores. É uma das colunistas do RH Pra Você. O conteúdo dessa coluna representa a opinião do colunista. Foto: Divulgação.