- Início

- Conteúdo

As diferenças entre a atuação de um job hunter e um headhunter

Compartilhe Este Post

Após acumular anos de experiência como executiva em gestão de pessoas de empresas nacionais e multinacionais, resolvi me especializar em ajudar as pessoas a encontrar a ocupação de seus sonhos. Não é tarefa simples, mas é extremamente gratificante aproximar profissionais e empresas com propósitos similares e perceber a complementaridade entre a minha missão profissional e a busca por realização e resultados no ambiente de negócios.

No entanto, ainda há muitas dúvidas sobre as características do trabalho que desenvolvo, com job hunter, atendendo aos profissionais que buscam recolocação ou mesmo uma transição de carreira. Nesse sentido, uma das principais indagações que recebo é: qual é a diferença entre o que você faz e a atuação de um headhunter?

Job hunting e headhunting: diferenças

A melhor maneira de explicar a diferença entre a atuação de um job hunter, como eu, e um headhunter talvez resida em traduzir essas duas expressões ao pé da letra: job hunter = caça-trabalho; headhunter = caça-cabeça. Diante disso, dá para dizer que essas atuações são opostas (ou espelhadas). Mas podem ser complementares.

Enquanto o job hunter é contratado por profissionais que estão em transição de carreira ou buscando uma nova oportunidade de trabalho, o headhunter é contratado por empresas que estão em busca dos melhores talentos (profissionais) no mercado.

No meu caso específico, como atuo diretamente com profissionais em posição de liderança (coordenadores, gerentes e diretores), acabo aproximando também os melhores talentos das empresas, como faz um headhunter. Mas essa é uma consequência tangencial do meu trabalho, não o foco principal, que está voltado para atender os anseios dos profissionais/executivos atendidos.

Job hunting e headhunting: dilemas éticos

Em outras palavras, os job hunters acabam sendo uma fonte de recrutamento sem custos para as empresas e para os próprios headhunters, mas é importante diferenciar as atuações para não gerar o que considero alguns conflitos éticos.

Existem empresas e profissionais que atuam nas duas frentes: headhunting e job hunting. Ou seja, tem contratos ativos com empresas e profissionais ao mesmo tempo. Essa prática é muito questionada e, em meu ponto de vista antiética. Afinal, como podemos representar e defender os interesses do nosso cliente se sou remunerada pelas duas pontas, não é mesmo?

O job hunter tem como prioridade os interesses do profissional/executivo que está em busca de uma nova posição ou uma nova carreira e assim deve atuar. Já o headhunter busca preencher as vagas de uma organização com os melhores talentos disponíveis.

Job hunting e headhunting: atuações complementares

Por isso, vejo muita complementaridade entre as atuações de um job hunter e um headhunter. Eles trabalham em parceria, afinal os job hunters sempre têm bons profissionais para apresentar e os headhunters conhecem as vagas disponíveis.

Espero que tenha ficado claro neste artigo que estes são trabalhos distintos mas complementares. Acredito que, atuando e defendendo os interesses do seu público, cada um pode e deve fazer o melhor para o seu cliente, não é mesmo?

Por Maria Emilia Leme, especialista em recolocação profissional e transição de carreira