- Início

- Conteúdo

A profissionalização do instrutor de T&D: 5 competências essenciais

Compartilhe Este Post

O mundo mudou e a forma como as pessoas aprendem também. Mas por que alguns instrutores de Treinamento & Desenvolvimento ainda aplicam treinamentos ineficientes e sem propósito?

Bem, a falta de conhecimento sobre a aprendizagem de adultos faz com que o compartilhamento de conhecimentos se torne uma grande sessão informativa e isso não é eficaz em termos de aprendizagem. O especialista tem extrema importância e pode se tornar um excelente instrutor desde que desenvolva as competências necessárias para ajudar o outro a aprender, e não simplesmente tentar transmitir o que sabe por meio de longas sessões de projeção de slides e palestras.

Afinal, quando tecnologia, produtos e sistemas são facilmente copiados, são as pessoas que poderão oferecer um desempenho superior e sustentável para as organizações. Nesse contexto, a área de Treinamento & Desenvolvimento passa a ser uma vantagem diferenciadora da empresa, podendo tornar-se um fator competitivo para a organização, o que exige uma compreensão maior da relação entre a estratégia de negócio e a de desenvolvimento humano.

É necessário compreender que o cenário mudou e os instrutores precisam se adaptar. Afinal, ninguém mais engole aqueles treinamentos ineficientes e sem propósito, não é mesmo?

Modelos de competências

Um modelo de competências viável precisa ser completo no que tange a contemplar as competências essenciais para o desempenho de uma função, simples o suficiente para ser implementado e consistente sob a perspectiva de fundamentação. Assim, por exemplo, é o modelo de formação IM – Instrutor Master, da SG Aprendizagem Corporativa, uma das formações que ajudam o profissional de T&D que deseja construir uma carreira de sucesso entender quais são as competências técnicas e comportamentais relevantes para a sua área, podendo desta forma entregar valor para a organização em que atua.

O modelo de competências do IM é constituído de cinco competências essenciais que se evidenciam em cinco comportamentos observáveis cada uma. Cada uma das competências e respectivos comportamentos observáveis tem sua origem na forma como o adulto aprende e desempenha seu trabalho e por isso funciona tão bem quando colocada em prática. São elas:

Preparar-se – Planeja a sua sessão de treinamento de acordo com os objetivos estabelecidos, alocando tempo para exercícios e estabelecendo a relevância do aprendizado para o público de maneira sistemática, intencional e encadeada.

Criar um ambiente favorável a aprendizagem – Engaja os participantes no seu aprendizado utilizando a interação, a linguagem verbal e não verbal e valoriza as suas contribuições para que se sintam seguros para contribuir e aprender.

Facilitar o aprendizado – Mostra-se entusiasmado pelo tema de modo a gerar credibilidade e interesse e promove o aprendizado utilizando técnicas de facilitação adequadas para cada tipo de conhecimento, além de fazer uso de perguntas diversificadas.

Gerir desafios – Mantém o controle emocional frente a desafios trazidos pelos participantes e gere situações inesperadas demonstrando flexibilidade enquanto resolve os problemas que se apresentam preservando sua relação com os envolvidos.

Medir o progresso de aprendizagem – Verifica a aprendizagem do grupo de acordo com os objetivos estabelecidos para a sessão de treinamento e responde adequadamente ao feedback que o grupo lhe oferece.

“A missão de um instrutor pode realmente ser grandiosa se pensar no impacto que isso pode ter no desenvolvimento de outras pessoas e de suas carreiras. E é justamente por isso que a atuação de um instrutor deve ir além de aspectos como ser um bom comunicador ou até mesmo ser carismático. Ser um Instrutor Master é inserir conscientemente em sua atuação elementos e práticas que contribuam para que os aprendizes usem a experiência que já têm, conectem novos conhecimentos a modelos mentais existentes e aprimorem ainda mais sua atuação a partir de novos aprendizados. Essas práticas são evidenciadas pelos comportamentos demonstrados pelos instrutores quando facilitam a aprendizagem”, pontua afirma Flora Alves, idealizadora da metodologia Trahentem® e CLO da SG - Aprendizagem Corporativa.

Ferramentas

Você já parou para pensar no que significa “ferramenta”? Basicamente, ferramenta diz respeito a um instrumento utilizado para realizar um trabalho. Fato é que, independente do trabalho que você execute, já sempre uma ferramenta adequada que irá facilitar o seu trabalho, e isso até na cozinha de casa, pois para se preparar um bom prato, é necessário termos os instrumentos adequados para o corte, tipo de cozimento, tempo e temperatura necessários para o preparo, entre outros.

A metodologia Trahentem para o Design de Aprendizagem com uso de Canvas é um ótimo exemplo de ferramenta para o Design de Aprendizagem criada para guiar o Designer em todos os passos essenciais para o desenho de uma solução centrada no ser humano que precisa aprender, bem como nos conhecimentos essenciais para que ele desempenhe seu trabalho de maneira produtiva e focada em sua performance.

Quando você quer fixar um quadro na parede, precisa de parafusos e seus acessórios. É necessário começar fazendo um furo na parede, para qual irá precisar de uma furadeira. Se você não tiver uma, de nada adianta saber o que precisa ser feito. Você pode até conseguir fazer um furo na parede sem uma furadeira, mas a sua eficácia aumenta com o uso da ferramenta adequada.

“Você não precisa ser um engenheiro para conseguir fazer um furo na parede, basta aprender o manuseio da ferramenta, mas isso não invalida toda a tecnologia e conhecimento por trás desse processo. Com a metodologia Trahentem para o Design de Aprendizagem com uso de Canvas é assim. Se você é um Design Instrucional, ela vai agilizar o seu trabalho, ou então se você trabalhar em outras áreas e precisar construir soluções de aprendizagem ou até mesmo multiplicar seu conhecimento, esse método vai ajudá-lo a realizar esta tarefa de maneira ágil e eficaz”, finaliza Flora.  

Você também vai gostar