- Início

- Conteúdo

30% Dos Trabalhadores No Brasil Não Têm Plano De Saúde, Aponta Pesquisa

Compartilhe Este Post

Segundo um levantamento realizado pela Ticket, pioneira no setor de benefícios de refeição e alimentação da Edenred Brasil, quase um terço dos trabalhadores brasileiros não possui plano de saúde. Ao todo, 1,7 mil respostas foram coletadas.

A pesquisa revelou que 30% dos colaboradores não têm opção particular ou corporativa de cobertura médica, enquanto 63% são beneficiados por planos de saúde fornecidos pelas empresas e 7% contam com planos particulares.

"Percebemos com este levantamento que há um espaço de não-atendimento de colaboradores de algumas empresas e que o valor gasto com o plano médico é um fator importante na tomada de decisão de contratação", explica Felipe Gomes, Diretor Geral da Ticket. Dentre os entrevistados, 25% afirmaram que o alto custo dos planos é a principal razão para a troca ou ausência de convênio. Já para 16%, a falta o atendimento de alguma especialidade médica é o maior problema.

Sobre a utilização do serviço médico, 76% acabam recorrendo à cobertura para realização de exames clínicos e consultas de especialidade e só um quarto recorre ao serviço para atendimento hospitalar. Do total dos pesquisados, mais da metade (62%) realiza check-up anual.

O lado empresarial

Entre 150 empresas de pequeno porte (com até 100 funcionários) clientes da Ticket, 45% delas não oferecem convênios de saúde ao seus funcionários. Da parcela que trabalha com o benefício, 41% apontam custo mensal de até R$ 10 mil com a assistência médica, enquanto 11% têm gastos que vão de R$ 11 mil a R$ 25 mil por mês.

No caso das médias e grandes empresas (com até 2 mil colaboradores), 63% têm plano de saúde entre os benefícios inclusos a seus colaboradores, enquanto 37% não contam com o serviço. Das companhias que trabalham com convênio, 55% dizem gastar até R$ 50 mil a cada mês. “Além disso, 76% delas não utilizam alternativas para reduzir a sinistralidade, ponto importante na definição dos valores pagos pelas empresas aos convênios”, comenta Felipe.

Gostou desse post? Compartilhe!