- Início

- Conteúdo

3 Dicas Tecnológicas Para Aumentar O Engajamento E A Produtividade Em Seu Negócio

Dicas

Compartilhe Este Post

Aumentar a produtividade pode ser um desafio para muitos empresários. No mundo moderno, o impacto de novas tecnologias nas empresas é cada vez maior. Em um mercado cada vez mais dinâmico e competitivo é preciso estar sempre atento às inovações para não perder espaço e mesmo lucratividade. Segundo o relatório de Tendências Globais de Engajamento dos Funcionários 2018 da Aon, em um estudo realizado com mais de 8 milhões de colaboradores em mais de mil empresas pelo mundo, foi constatado que 65% deles estão realmente engajados. Isso impacta no que eles pensam e falam sobre a empresa, se querem permanecer e, principalmente, se estão empenhados.

Com isso, a nova onda dos digital workplaces, ou espaços digitais corporativos integrados, trouxe novas formas de aumentar a produtividade e estimular o engajamento de funcionários, revendedores, e até mesmo clientes. É pensando nesta conexão dos usuários com uma empresa, que se torna cada vez mais necessário investir em tecnologias emergentes para turbinar espaços corporativos como sites, portais de negócios e de relacionamento, intranets, aplicativos e outros. Mas em quais delas apostar? Adriana Menescal (capa), sócia-fundadora do estúdio de soluções digitais Sirius Interativa, separou algumas dicas inteligentes de estratégias para você mais engajamento, produtividade e otimização de investimentos.

1) Avaliar a jornada dos funcionários

Avaliar o dia a dia dos funcionários vem se tornando uma importante ferramenta de gestão corporativa. Acompanhar e mapear todos os pontos de interação de um funcionário com a empresa permite identificar novas necessidades e escolher as tecnologias mais adequadas para tornar o seu dia a dia mais produtivo e efetivo. “Hoje, a tecnologia permite uma maior mobilidade, mas, ao não conhecer profundamente as jornadas dos funcionários, não se pode escolher com segurança as ferramentas mais adequadas para cada momento. Um usuário pode estar sempre externo e outro passar parte do tempo em reuniões longe da sua estação de trabalho. As ferramentas convencionais acabam não atendendo a este novo padrão de mobilidade”, afirma Adriana.

2) Implementar ferramentas de colaboração em tempo real

Uma forte tendência é a incorporação de aplicativos de colaboração corporativa dentro do modelo de uma intranet expandida. Elas já são utilizadas há algum tempo por grandes corporações, mas com o tempo elas foram incorporando novos recursos permitindo o acompanhamento de projetos, a colaboração remota, a geração de relatórios de atividades e a gestão compartilhada e centralizada de documentos. Oferecem flexibilidade, facilitam o engajamento a aceleram a comunicação entre usuários internos e mesmo com clientes e parceiros. “No modelo de espaços digitais integrados, um APP de colaboração integrado a própria intranet corporativa facilita o acesso e compartilhamento de informações. Esta integração permite que os dados gerados possam alimentar outros sistemas corporativos facilitando a distribuição e retenção de conhecimento”, diz a sócia-diretora da Sirius Interativa.

3) Desenvolver aplicativos e loja de APPs corporativos

Um dos pilares do conceito de digital workplaces é a expansão de modelo de intranets, tanto do ponto de vista de acesso, além das fronteiras da empresa, quanto dos modelos de interação. Por isso, uma opção é investir em aplicativos de uso corporativo. A loja de APPs corporativa pode oferecer uma experiência mobile mais conveniente e efetiva ao profissional em movimento, mas permite, ao mesmo tempo, uma integração com a plataforma corporativa para a consulta e recuperação de dados. “A fronteira entre o uso de dispositivos pessoais e corporativos fica ainda mais difusa quando olhamos o padrão de uso de APPs nas empresas. Os usuários acabam usando os recursos mais adequados para o trabalho sejam eles chancelados ou não pela empresa. A criação de lojas de APPs corporativos atende essa demanda dos usuários e oferece maior controle e segurança as organizações”, explica Menescal.

Gostou desse post? Compartilhe!