CANAL

Rosalina Moura

Psicóloga, coach e terapeuta. Fundadora da Rumo Saudável, consultoria especializada em programas de gerenciamento do estresse e saúde emocional nas empresas.

Ao final deste artigo veja como acessar uma avaliação GRATUITA online

Uma pesquisa recente da UERJ revelou que os casos de estresse, ansiedade e depressão dobraram no isolamento e as mulheres são as mais afetadas. O afastamento social em função da pandemia trouxe escritórios e escolas para dentro de casa. Se equilibrar vários pratos já era um grande desafio, agora grande parte das mães têm que lidar com uma situação inédita e inesperada: desempenhar vários papéis ao mesmo tempo e no mesmo espaço.

Preparar o café da manhã e as refeições, cuidar das crianças, auxiliar nos estudos, limpar e dar conta de suas entregas do trabalho em home office têm sido tarefas do dia a dia dessas mulheres, a maior parte com pouca ou nenhuma ajuda. Segundo uma pesquisa do IBGE, em 2018 as mulheres ocupadas gastavam 80% a mais de tempo em tarefas domésticas em relação aos homens ocupados, explicitando a desigualdade de gênero.

Ser mãe é uma das tarefas mais importantes e desafiantes da vida. Para proteger e cuidar dos filhos as mães descobrem forças e conseguem superar barreiras que pareceriam intransponíves. Em geral se cobram bastante e se esforçam para dar conta de todas as funções e tarefas da vida familiar, pessoal e profissional. Se esquecem que são humanas com limitações, dificuldades, emoções e incertezas e quando se deparam com a imperfeição o sentimento de culpa pode ser avassalador.

Além das questões práticas do dia a dia em casa, existe a preocupação com o bem estar psicológico das crianças. O estresse gerado pelas mudanças como estudo a distância, o afastamento dos amigos e familiares e das atividades que faziam parte da sua rotina impactam na saúde mental. Crianças têm mais dificuldades em reconhecer e nomear os sentimentos e costumam manifestar o sofrimento por meio dos comportamentos: podem ficar mais agitadas, agressivas, apresentar alterações de apetite e de sono, ter dificuldades para se concentrar nas aulas em casa, ficar chorosa e demandar mais atenção e cuidados da mãe do que o normal.

A quantidade de demandas, a pressão, as cobranças, os medos e a ansiedade constituem um cenário propício à sobrecarga física e mental e ao estresse excessivo, o que pode gerar sofrimento e sérios prejuízos para a saúde e bem-estar. Cuidar da saúde mental não é luxo ou irrelevante, é um direito e um dever de todos.

Como equilibrar os pratos?

Alguns irão cair, aceite isso. No entanto as sugestões abaixo vão te ajudar a manter a saúde mental e evitar agravos.

   1. Seja gentil com você

Não se cobre excessivamente e se trate com gentileza e respeito diante das dificuldades que possa estar enfrentando. É natural se sentir confusa, ansiosa e em alguns momentos ficar com os “nervos à flor da pele”.

   2. Use a criatividade e foque nas soluções

Esta é a hora de praticar focar nas soluções e não nos problemas. Olhe para cada situação e procure encará-las como desafios a serem superados com criatividade e, se possível, bom humor. Brainstormings podem ser úteis.

   3. Crie rotinas e defina um tempo exclusivo para os filhos

Defina uma rotina para você e para as crianças. Utilize recursos lúdicos que facilitem a visualização das atividades distribuídas no tempo e destine um horário para brincar com as crianças ou conversar com os adolescentes (sem celular por perto). Isso facilita a compreensão de que há tempo para cada coisa no dia, inclusive para a diversão e para receber a sua atenção total.

   4. Distribua tarefas e inclua as crianças de forma lúdica

Todos na casa devem colaborar com as atividades. Crianças muito pequenas a partir dos 2 ou 3 anos são capazes de guardar parte dos seus brinquedos e devem ser estimuladas a participar como podem de tarefas como tirar a mesa, auxiliar na cozinha, dobrar roupas, pendurar roupas em varal baixo, se vestir. Em geral elas adoram e se for colocado de uma forma lúdica se divertem enquanto participam do dia a dia da casa. Na medida em que desenvolvem novas habilidades é desejável que adquiram mais responsabilidades e autonomia. É importante que os pais não exijam “perfeição” e valorizem o interesse e esforço da criança.

   5. Fique com a cabeça onde está o seu corpo

A ansiedade faz com que a nossa mente divague entre todas as tarefas que precisam ser realizadas, comprometendo nossa capacidade de priorizar e realizar. Procure focar no presente quando estiver fazendo algo. Explique às crianças o seu papel no trabalho e sua importância para que possam compreender os limites e aos poucos ajustar os seus comportamentos, diminuindo as interrupções.

   6. Converse com o seu chefe

É normal que a produtividade caia nesta fase, sendo fundamental o apoio dos líderes e de pares. Com filhos em casa é importante algumas pausas ao longo do dia. Se necessário converse com o seu chefe sobre a sua realidade na quarentena e discutam alternativas para conciliar as demandas do trabalho e dos filhos. Caso possível, trabalhar em horários alternativos pode ajudar.

   7. Escute e valoriza as suas necessidades

Dê atenção às suas emoções, sentimentos e necessidades, eles podem funcionar como uma bússola pra você. Se faça estas perguntas algumas vezes no dia: “O que eu estou sentindo agora?” “O que eu preciso agora?” Cuide bem da sua alimentação e do sono pois são importantes para o nosso equilíbrio e imunidade.

   8. Dedique um tempo para você

Não importa quanto. Se permita alguns minutos no dia para cuidar de si e fazer algo que relaxe e traga algum prazer. Ouvir música, olhar a paisagem pela janela, tomar um chá, tomar um banho relaxante, acender seu incenso preferido, ler algumas páginas de seu livro, rezar, meditar.

   9. Respire, medite, respire!

Respirar de forma consciente e profunda é a chave do equilíbrio, contribuindo para o controle da ansiedade e tornando mais fácil lidar com as demandas. Técnicas de relaxamento e meditação são excelentes. Existem aplicativos gratuitos e programas abertos que você pode acessar.

   10. Conecte-se offline

Podemos aproveitar esta fase para nos conectarmos verdadeiramente conosco mesmos, com as pessoas com quem moramos e com nossos filhos. Relacionamentos verdadeiros e conexão profunda são frutos de uma construção contínua com investimento de tempo, energia e amor. E nos tornam mais fortes para lidar com o estresse e superar as dificuldades.

   11. Busque apoio a distância                                                                                             

Conversar com outras mães e trocar experiências de como estão lidando com os desafios cria apoio mútuo. Considere a possibilidade de procurar a ajuda de um psicólogo caso sinta necessidade. Os psicólogos podem atender on-line e esta modalidade é eficiente e segura agora.

   12. Teste a sua saúde mental  

É importante saber como está a sua saúde mental e como você está lidando com as demandas da quarentena e pandemia. Para ajudar com isto a Consultoria Rumo Saudável preparou um presente para as mães e pais: um acesso GRATUITO à sua plataforma de avaliação. Nela estão disponíveis duas ferramentas que te ajudarão a identificar os seus pontos fortes e os vulneráveis e o que você deve fazer para passar por tudo isto da melhor forma!

Data: 15 à 20/05/2020
Para participar basta acessar aqui. (https://rumosaudavel.com/boas-vindas/24/7). O link ficará disponível por tempo limitado, então corra para participar e divulgue para os seus contatos!

Rosalina Moura é Psicóloga Clínica, Organizacional e Coach. Sócio fundadora da Rumo Saudável, empresa que atua no segmento de bem-estar, saúde mental  e gerenciamento do estresse em Organizações. É um das Colunistas do RH Pra Você. Foto: Divulgação


De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil pra você?
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5


0 Comentários

COLUNISTAS

Fátima Mota

Liderança 4.0: a liderança ágil e colaborativa

24/07/2020

Gustavo Mançanares Leme

A oportunidade virá para os que pensarem como futuristas

22/04/2020

Leila Navarro

Sonhar diante a uma Pandemia?

07/08/2020

Tatiane Souza

Quem quer ser Líder?

14/04/2021

Tiago Petreca

Então, vai largar essa roda presa?

15/07/2020

Reinaldo Passadori

Comunicação não violenta: entenda a importância desta prática

13/01/2020
Athomus Tecnologia da Informação