CANAL

Jorgete Lemos

CEO da Jorgete Lemos Pesquisas e Serviços. Dir. de Diversidade ABRH Brasil; Membro do CORES/FIESP e Membro da Comissão Permanente da Mulher Advogada OAB-SP.

Em nossa matéria de 12.02.2021, “ESG Impulsor da Diversidade & Inclusão nas Organizações… e a Diversidade Racial?”, iniciamos a abordagem sobre ESG fazendo a correlação com as questões da diversidade e indagando qual seria essa correlação com a Diversidade & Inclusão Racial.

É sempre bom destacar que ESG surge fortalecido porque:  é “tema mandatório – é urgência;  é estratégico- valuation; está na agenda de CEO e Conselho de Administração; é investimento e gera bônus; tem métricas e compromissos públicos; tem o investidor atento, ativista; e impacta positivamente”. Ricardo Voltolini.

Com esses atributos, impede a prática “ESG Washing”, pois os resultados estarão baseados em metodologia de indicadores como GRI para um relatório anual, para sustentar um índice de sustentabilidade empresarial (ISE) da BM&FBovespa, revelando dados quantitativos e qualitativos que são seletivos, muitas vezes não auditados.

E as respostas dessas práticas estão chegando por diversos meios!

Entre as várias experiências exemplares destaco a deste brasileiro, carioca nascido no bairro da Tijuca.  Estou falando de Oscar Decotelli, fundador da DXA Invest, em 2012, empresa de “private equity”,  que diferenciou-se desde a sua criação por ir na “contramão do convencional”, colocando em evidência a dimensão Social do ESG e as pessoas negras como um de seus focos.

Decotelli acredita que o modelo de negócios – “equity”, composto por carteiras que investem em empresas com Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) avaliadas em até R$ 5 milhões, é o que mais atrai os investidores.

Assim sendo, a DXA procura empresas com potencial de gerar alto retorno financeiro e valor para a sociedade, e busca investidores com interesse em alocar capital nessas ideias. Como diz Decotelli: a DXA funciona como dois braços.

Uma demonstração da efetividade desse negócio foi o resultado obtido pela DXA em 2020 com, aproximadamente, R$ 1 bilhão em ativos sob gestão e investidores de mais de 10 países, podendo ampliar para 50 países, após lançamento de uma nova plataforma de investimentos ainda em 2021.

Em outubro de 2021, Decotelli pretende lançar, ao lado de Luana Ozemela, o Fundo Roots, destinado a empreendedores negros localizados fora dos eixos empresariais do país.

A DXA foi fundamental para tirar muitas boas ideias do papel. Empresas como a Zee.Dog, por exemplo. Segundo Decotelli,  “quem investiu R$ 50 mil (mínimo para aplicações no portfólio da DXA), terminou com R$ 600 mil”.   Em nove anos, são 20 parceiros, que possuem mais de 50 mil clientes atendidos.

“Uma das bandeiras ESG da DXA é o aporte em negócios de empreendedores negros. … ninguém quer fazer um cheque alto para uma companhia formada por negros. Querem vender o marketing de pró-raça e colocam R$ 1 milhão em 100 empreendedores, ou seja, muito pouco para um negócio tomar caldo”, avalia Decotelli.

 

ESG - D&I RACIAL e EMPRESAS B - IMG II

 

Outras ações concretas estão vindo das Empresas B

A certificação de uma empresa como B significa que a empresa entendeu a importância de demonstrar, publicamente, seu compromisso com princípios relacionados à Governança, Empregados, Clientes, Comunidade e Meio Ambiente, e que a sua prática está habilitada para ser auditada e certificada.

Quando uma empresa recebe o selo “B”, ela concorda com valores como interdependência, cuidado, inovação, co-construção, paixão e … Diversidade, além de ser uma embaixadora da missão de construir um ecossistema favorável para fortalecer empresas que utilizam a força do mercado para solucionar problemas sociais e ambientais.

O Sistema B é uma iniciativa global

Busca avaliar, rigorosamente, empresas a fim de identificar aquelas que geram impacto positivo no planeta por meio de suas interações e projetos.

A proposta do Sistema B aponta para uma economia que pode criar valor integral para o mundo e à  Terra, promovendo formas de organização econômica que podem ser medidas a partir do bem-estar das pessoas, das sociedades e da Terra, simultaneamente.

Em 2014, a primeira empresa de capital aberto em todo o mundo a se certificar como Empresa B foi a Natura.

Atualmente o Sistema B tem  no Brasil 122 empresas B e 160 empresas B internacionais que atuam no Brasil; 400 na América Latina e 2.650 no mundo​, espalhadas por 70 países na América, Europa, Reino Unido, África e Austrália.

Mas, vamos a um exemplo. A Yssy Soluções S.A., líder na implantação de tecnologias de ponta, levando conectividade e transformação digital para seus parceiros, é uma empresa certificada B, e em seu compromisso social e ambiental prioriza:

Pegada ecológica

Indicador que mede, a partir dos hábitos de consumo das pessoas, a quantidade necessária de planetas caso todo o mundo consumisse da mesma forma que aqueles que se submeteram à medida.

A pesquisa contempla questões sobre a alimentação, meios de transporte, vestimenta, bens possuídos, entre outros, para chegar a uma média do quanto de recursos naturais são utilizados para manter o nosso estilo de vida. A pegada ecológica é um resultado de cada indivíduo, mas pode ser gerida de forma coletiva.

Diversidade

O estudo do mapeamento da diversidade dentro da organização ajudou a orientar que os pilares de gênero e raça deveriam ser  priorizados.  A  Empresa lançou as campanhas “Seja Antirracista”  e “Empodera Yssy Comitê de Empoderamento Feminino”,  esta com o objetivo de converter vozes femininas em ações, iniciativas, melhorias, benefícios e oportunidades,segundo  Frederico Samartini, Chief Executive Officer.

Consumo

Contempla o monitoramento coletivo do consumo de recursos naturais utilizados no dia a dia de trabalho, tais como energia elétrica, árvores – via impressão de papel – e água. Para todos esses itens, a Empresa tem uma meta mensal de consumo compartilhada com os colaboradores.

Empresas B acreditam e apoiam os 17 ODS

E mais uma vez trazendo a questão da Diversidade & Inclusão Racial à tona destacamos  que todos os 17 ODS são indissociáveis e impactam diretamente  na eliminação da desigualdade social.

Vamos acompanhar o desempenho dessas empresas B e auxiliá-las a atingirem suas metas?

Por Jorgete Lemos, sócia fundadora da Jorgete Lemos Pesquisas e Serviços – Consultoria. É uma das Colunistas do RH Pra Você. O conteúdo desta coluna representa a opinião do colunista. Foto: Divulgação.


De 1 a 5, quanto esse artigo foi útil pra você?
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5


0 Comentários

COLUNISTAS

Alberto Ogata

Quando acaba a lua-de-mel de trabalhar em casa?

22/04/2020

Leila Navarro

Coragem e energia para a próxima etapa

06/11/2020

Jorgete Lemos

Negros e Brancos, Juntos – e o aprendizado para 2021

12/01/2021

Marcelo Simonato

Como o líder moderno deve encarar os desafios da atualidade?

14/05/2021

Marcelo Simonato

Você é um líder ou chefe?

16/04/2021

Fátima Motta

Os preconceitos nossos de cada dia

07/12/2020
Athomus Tecnologia da Informação