Há séculos o mundo vem passando crises, sejam elas financeira ou pandêmica como a atual Covid-19. Todas elas, de forma intensa ou não, reflete no desenvolvimento humano.

Para alguns pesquisadores, a crise atual é diferente, pois o impacto global da atual pandemia, afeta de forma simultânea todos os elementos da existência com os quais o desenvolvimento humano é medido (saúde, educação, renda), fazendo com que o mundo “retroceda” nesse quesito.

O vírus gerou uma intensa ruptura social, com milhões de casos em escala global, milhares de mortes, e significativas mudanças à rotina, como a implantação de uma “quarentena inacabável”. Os aspectos sociais foram abalados, logo ele se estenderia ao cenário profissional.

PERÍODO PANDÊMICO E O “NOVO NORMAL”

Não temos ainda a certeza de nada em relação ao “novo normal”, o tempo nos dirá, porém, precisamos potencializar a oportunidade em evoluirmos como sociedade e como seres humanos.

Já sabemos que as empresas precisaram se adaptar, algumas optaram pelo trabalho remoto, outras reduziram sua jornada, outras demitiram, algumas infelizmente encerraram as atividades e uma outra fatia se destacou e acelerou seu crescimento em meio à crise.

A área de Recursos Humanos se tornou protagonista nos últimos meses para cuidar do de seus colaboradores, atuando de forma ativa na promoção da saúde mental (principalmente pelo medo, angústia, tristeza e depressão causados pelo isolamento social) e no desenvolvimento de cartilhas e ações preventivas contra a COVID-19.

Todas as ações citadas foram emergenciais, mas como se reorganizar para o depois? Como engajar e motivar os colaboradores, criando perspectivas para o futuro de sua carreira e desenvolvimento profissional em meio ao caos?

Durante a crise ouvimos repetidamente a frase “temos que nos reinventar”, e como resultado, houve uma mudança de comportamento dos profissionais. Sim, estou falando de novas habilidades e competência!

HABILIDADES EM ALTA!

Confira as principais habilidades em destaque e que serão tendência para o mercado de trabalho:

  • ResiliênciaA resiliência é a capacidade do indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas
  • Autogestão – A horizontalização corporativa também está relacionada a uma das habilidades no cenário pós-pandemia. O colaborador deverá garantir a autogestão, ou seja, produzir sem supervisão, cumprindo prazos e mantendo a qualidade exigida.
  • Flexibilidade – Ser flexível é uma extensão da resiliência, voltada para a adaptação de fatores físicos, como a mudança de um local de trabalho, por exemplo, sem um planejamento prévio devido a urgência exigida pela pandemia.
  • Comunicação – Comunicar-se com eficácia e de forma tranquila, que também se relaciona ao ato de ouvir e entender o que o outro diz, saber interpretar ideias e transferir elementos da comunicação falada e visual para a escrita.
  • EmpatiaA empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, entender as demandas do outro, ainda que o outro seja um colega de trabalho, chefe ou cliente.
    Pensamento crítico – O pensamento crítico possibilita enxergar soluções em meio a situações inusitadas, apontam falhas com maior rapidez e antecipam o negócio à ocorrência de eventualidades que venham gerar prejuízos.

Além das competências e habilidades, devemos repensar nosso formato de trabalho, precisamos quebrar o paradigma que a única forma de trabalho é o contrato CLT, devemos dar oportunidade às novas alternativas de trabalho e desenvolvimento profissional.

NOVOS LÍDERES!

Com tantas mudanças no cenário, não podemos deixar de observar o surgimento de novos líderes, bem como a excelente reciclagem da liderança sênior!

Já entendemos que a capacidade de aprender e se adaptar aos novos cenários e lidar com as ferramentas digitais são fundamentais. Cada vez mais os processos seletivos serão digitais ou híbridos, e aprendemos que é possível se comunicar, ser produtivo e tomar decisões virtualmente. Portanto, não podemos deixar de mencionar que a capacitação e o treinamento da atual e nova liderança, será incluído no mundo virtual. Diversas ferramentas estão disponíveis no mercado para atender virtualmente qualquer tipo de treinamento e capacitação de profissionais.

A grande pergunta é, o que e para que queremos capacitar?

Diante de tantas incertezas na economia global geradas pela crise, não recomendo que a capacitação e desenvolvimento dos profissionais sejam interrompidas. Devemos treinar e capacitar nosso time para estarmos sempre preparados para o inusitado, potencialize as novas habilidades, aproveite o momento para criar um futuro melhor, mais humano e empático.

Exponencie as soluções dos millennials e Z, a sabedoria dos boomers, a resiliência e estratégia da geração X, todos estão no processo, extraia o melhor!

Vencendo o desafio no Desenvolvimento Humano

 

Por Karla Bonello, fundadora da LIKE A JOB – Consultoria em RH. É graduada em Ciências Contábeis com menção honrosa, especialização em Recursos Humanos e Pós-graduação em Gestão Empresarial e Negócios. Com carreira construída em Indústrias Farmacêuticas Multinacionais atuando nas áreas Financeira, Contábil e Recursos Humanos nos últimos 20 anos, implementando e desenvolvendo projetos e metodologias de aprimoramento na gestão de folha de pagamento, arquitetura de remuneração, recrutamento e seleção e desenvolvimento organizacional. Líder do Grupo GFARH – Grupo de Recursos Humanos formado por empresas farmacêuticas pelo intermédio do Sindusfarma (Sindicato patronal das Indústrias Farmacêuticas) por 5 anos. Palestrante convidada pela AAPSA (Associação Paulista de Recursos Humanos e de Gestores de Pessoas), dentre outras.