5 reflexões de quem ajudou uma empresa a migrar do modelo tradicional para o modelo ágil e resposta do por que trabalhar em squads

Se você é uma pessoa ligada nesse ambiente de startups, provavelmente já ouviu falar no trabalho em squads que, nada mais são do que grupos multidisciplinares que reúnem pessoas de diversas áreas de negócio em torno de um mesmo objetivo: seja criar novos produtos, novos processos ou tocar qualquer outro projeto dentro da empresa.

Hoje, aqui no Pravaler, trabalhamos em diversos squads. Os colaboradores não pertencem a uma área em especial, mas sim ao projeto que estão desenvolvendo. Só que nem sempre foi assim. A adoção desse modelo faz parte da nossa trajetória de transformação digital e cultural, que começou há mais ou menos dois anos e vem nos guiando no processo de passar a agir de maneira mais disruptiva e menos engessada.

Eu, como profissional de RH, tirei grandes aprendizados dessa transformação. Alguns deles podem ser levados para todas as esferas da nossa vida. Por isso, quero compartilhá-los aqui com vocês.

1. Ter confiança é mais importante do que ter controle

Um namorado controlador sufoca. Uma mãe controladora prende. Uma mente controladora entra em paranoia. Um chefe controlador tolhe a criatividade. Em qualquer circunstância, o excesso de controle é contraproducente, porque opera mais na lógica do medo do que na da confiança – e é isso que o trabalho em squads tenta combater.

Nesse sentido, o gestor se preocupa com o propósito do time: qual problema resolver e por que resolvê-lo. O “como” fica por conta da equipe, que tem autonomia para experimentar e descobrir as melhores maneiras de fazer as coisas.

Se você não confia no potencial do time, por que então o contratou?

2. Sem medo de ser feliz (e neste caso, de inovar)!

Todas as pessoas que fizeram grandes coisas na vida eram destemidas. Se Marie Curie tivesse se curvado às críticas da sociedade misógina da época, não teria ganhado dois prêmios Nobel. Se Einstein tivesse se convencido de que não era inteligente porque tirava notas ruins, não teria revolucionado a física. Se Zuckerberg tivesse desistido porque seu protótipo de rede social foi banido em Harvard, não teria criado o Facebook.

São diversos os exemplos que nos mostram que, para realmente inovar, é preciso se desprender do medo. E é essa a mentalidade que o trabalho em squads procura promover, ao incentivar um ambiente de experimentação constante.

O medo de errar não pode ser maior do que a vontade de melhorar sempre. E por isso que o significado de sucesso não pode ser o acerto, mas sim fazer melhor todo dia e se desenvolver constantemente.

3. Pensar no cliente é a melhor maneira de entregar o melhor trabalho

Não importa o tipo de trabalho que você está desenvolvendo: o destino final de tudo o que você faz sempre vai ser o cliente. Quer você passe o dia inteiro atrás de um computador mexendo em planilhas, quer você trabalhe numa empresa B2B: do outro lado do balcão, sempre haverá uma pessoa.

É esse o pensamento que guia a cultura de trabalho em squads. O sentido de fazer entregas menores e mais rápidas e de ter uma diversidade de pensamentos e experiências dentro de um squad é justamente atender melhor a essa pessoa, que é o seu cliente. Se ele tem sempre razão, é discutível. O que não deixa margem para dúvidas é que, no modelo de squads, ele sempre está no centro de toda tomada de decisão.

4. Compartilhar fracassos e vitórias é a maneira mais contundente de motivar

Viver é uma sucessão de acertos e erros. Absolutamente todas as pessoas do mundo vão fracassar em alguns momentos e suceder em outros. Aceitar e, mais do que isso, compartilhar os nossos fracassos e vitórias é admitir que somos humanos e que essa humanidade é o que nos une.

No trabalho em squads, as pessoas são encorajadas a compartilhar umas com as outras suas experiências, sejam elas boas ou ruins, para que um possa aprender com o outro e para que todos possam avançar juntos a partir dali.

Nada é mais motivador do que perceber que estamos trabalhando com pessoas que, assim como nós, passam por coisas boas e ruins e, apesar dos pesares, decidem seguir em frente.

5. Autonomia é muito diferente de ter que resolver tudo sozinho.

A gente tende a achar que a autonomia é um estado solitário. Eu me basto e pronto. Acontece que não é bem assim. Autonomia é ter a liberdade para resolver as coisas sozinho, mas também para buscar ajuda quando necessário.

O trabalho em squads incentiva essa cultura de colaboração. Cada um chega com seu conhecimento e agrega da maneira que pode sempre que possível e necessário.
Afinal, se ter autonomia fosse sinônimo de ter que fazer tudo sozinho, a tendência não seria a organização em squads, mas sim o individualismo e o egoísmo. E se tem uma coisa que a gente, como sociedade, já deveria ter aprendido, é que nada vai pra frente sem a colaboração.

Por que trabalhar em SQUADS?

 

Por Fernanda Inomata, Diretora de Assuntos Institucionais do Pravaler.