A tecnologia surge para facilitar e otimizar tarefas do cotidiano, potencializando as atividades realizadas por profissionais de diferentes segmentos

Em um cenário mercadológico cada vez mais mutável, atentar-se à saúde mental e ao comportamento dos colaboradores mostra-se fundamental para manter o ambiente de negócios vigoroso.

Para se ter uma ideia, em uma pesquisa realizada pela Vitalk e Mindminers com 420 pessoas, 50% dos entrevistados que respondem aos seus líderes pontuaram que nunca abordaram o assunto da saúde mental no trabalho, enquanto 19% da liderança ainda não se sente confortável para falar sobre o tema.

Embora a saúde mental ainda seja um tema que mereça maior atenção no mundo dos negócios, a tecnologia tem sido um recurso cada vez mais importante aos profissionais, ao facilitar o desempenho das atividades no dia a dia, dissipando aspectos que impactam negativamente a saúde mental, como a pressão por menor quantidade de erros nas atividades e a necessidade de maior qualidade no relacionamento com clientes.

A transformação digital e a qualidade de vida
Ao analisar o questionamento que intitula este artigo, é necessário avaliar o quão diferente cada setor corporativo lida com as demandas e o que pode ser feito para trazer agilidade e praticidade ao cotidiano destes profissionais. Certamente, a tecnologia ganha espaço neste debate, tendo em vista a vasta quantidade de recursos existentes atualmente. A IDC Brasil, inclusive, projetou que os gastos com tecnologia e telecomunicações no Brasil podem chegar a US$ 64,4 bilhões, crescendo 7,1% em 2021.

Dessa forma, utilizar as diferentes soluções disponíveis no mercado é um requisito fundamental para que haja uma evolução no ambiente de trabalho e nos resultados entregues pelos profissionais. Tarefas repetitivas, atividades exaustivas e retrabalho são pontos comuns entre as equipes que não contam com a presença do componente tecnológico. A transformação digital vem revolucionando as formas de trabalho e, sobretudo, a qualidade de vida aos profissionais no desempenho de suas atividades.

Aspectos comportamentais no departamento financeiro
O setor financeiro das companhias é um dos que mais sentem os impactos do estresse na rotina de trabalho. Além de lidar com recursos primordiais das empresas, o departamento de contas a receber, por exemplo, precisa de profissionais com habilidades que impactem positivamente a qualidade do relacionamento entregue ao cliente, mesmo para aqueles que se encontram em situações de atrasos de pagamentos e inadimplência.

O desafiador ambiente econômico atual impulsiona a pressão aos profissionais na gestão de contas a receber. O Núcleo de Análise de Política Econômica (NAPE), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), divulgou dados que apontam que, no primeiro trimestre deste ano, a economia brasileira cresceu 1,2%, estando, ainda, no mesmo patamar do final de 2019.

Neste contexto, é essencial mapear as possibilidades e instrumentos que possam potencializam o bem-estar dos profissionais que lidam com as atividades no departamento financeiro, oferecendo o suporte necessário para que a saúde mental seja impulsionada.

É importante pontuar que a pressão psicológica oriunda do ambiente de trabalho extrapola os limites profissionais, afetando outras dimensões da vida das pessoas.

É possível ter uma vida boa no ambiente de trabalho

Por Ana Luiza Milan, cofundadora e Head de Operações na Receiv, sistema de cobrança inteligente. Psicóloga, com especialização em Administração de Recursos Humanos.