Como as comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do ImpostorComecei a perceber que algo não estava certo na minha vida quando, mesmo sendo bem-sucedida, me sentia constantemente inferior.

Por mais que recebesse elogios e reconhecimentos, sempre encontrava uma maneira de me colocar para baixo ao comparar-me com outras pessoas.

Era uma armadilha mental da qual não conseguia escapar. Mesmo estando em uma posição privilegiada no trabalho e na vida pessoal, me flagrava constantemente medindo meu próprio valor em relação aos outros.

Um ciclo vicioso que parecia não ter fim. Quanto mais me comparava, mais me sentia inadequada. E quanto mais me sentia inadequada, mais procurava por pontos de referência externos para validar meu próprio valor.

E, infelizmente, não sou a única. Um levantamento da Fundação Getúlio Vargas investigou a comparação no mercado de trabalho. A pesquisa descobriu que 67% dos profissionais relataram se comparar com colegas, o que influenciava negativamente a satisfação com o trabalho e a produtividade.

Skills obrigatórias do RH

A Síndrome do Impostor não é apenas sobre sentir-se como um fraudador em seu próprio sucesso, mas também sobre nunca se sentir bom o suficiente. Por mais que racionalmente soubesse que cada pessoa tem sua própria jornada e que o sucesso é relativo, eu ainda me encontrava presa nesse ciclo de comparação.

E esse sentimento constante minava minha autoestima e minhas conquistas. Em vez de celebrar meus próprios sucessos, eu os minimizava em comparação com os de outras pessoas. Isso criava um ambiente tóxico de auto-depreciação que afetava todas as áreas da minha vida.

Percebi que precisava fazer uma mudança drástica para sair dessa situação. Comecei, então, a estudar sobre a Síndrome do Impostor e como ela afeta a maneira como nos vemos e nos valorizamos.

Aprendi que a comparação constante é uma armadilha que nos impede de reconhecer nosso próprio valor. Ao nos concentrarmos nas realizações dos outros, negligenciamos nossas próprias habilidades e conquistas.

Para superar esse padrão destrutivo, é importante desenvolver uma consciência maior de nossos pensamentos e sentimentos. Precisamos desafiar ativamente essas comparações negativas e substituí-las por pensamentos mais positivos e compassivos em relação a nós mesmos.

E, para atingir esse objetivo, uma prática importante é cultivar a gratidão e o autoelogio. Em vez de focar no que os outros têm e nós não, devemos aprender a apreciar nossas próprias realizações e qualidades únicas.

Além disso, é fundamental estabelecer limites saudáveis em relação às mídias sociais e outras fontes de comparação. Uma pesquisa do Instituto Penso abordou a comparação nas redes sociais e o resultado foi que 85% dos entrevistados afirmaram se comparar com outros perfis, gerando sentimentos de inveja, inadequação e baixa autoestima.

Lembre-se sempre de que as pessoas geralmente compartilham apenas os destaques de suas vidas! E as aparências nem sempre refletem a realidade… Ter isso em mente pode ajudar a desfazer essa ilusão de inferioridade.

Por fim, buscar apoio profissional, seja por meio de terapia ou coaching, pode ser uma ferramenta valiosa para lidar com a Síndrome do Impostor e suas ramificações, como a compulsão pela comparação.

A jornada de superação da Síndrome do Impostor pode ser longa e desafiadora, mas é possível encontrar um caminho para uma maior autoaceitação e confiança. Ao reconhecer e desafiar esses padrões destrutivos, podemos começar a reconstruir uma imagem mais saudável e autêntica de nós mesmos. E lembre-se, você é único e valioso, independente das realizações dos outros.

Comparações me fizeram prisioneira da Síndrome do Impostor

Por Thereza Cristina Moraes, formada em Gestão Comercial pela Anhembi Morumbi, com MBA em Ciências da Mente e Liderança Humanizada, especializada em essência feminina, conexões e Síndrome do Impostor. É mentora e palestrante com 15 anos de experiência em negócios e nas principais plataformas de eventos de networking corporativo e multinacional.

Ouça o RHPraVocê Cast, episódio 138, “O poder das ações em prol do protagonismo feminino” com Edna Vasselo Goldoni, presidente do Instituto Vasselo Goldoni (IVG). Fala sobre difundir o o protagonismo feminino, a sororidade, a equidade de gênero, a diversidade e a reintegração. Criado em 2017, esses são os principais pilares da organização sem fins lucrativos. Durante a pandemia, e com o forte impacto que ela teve na carreira da mulher, nasceu o Programa de Mentoria Para Mulheres “Nós por Elas”. Já em sua 15ª edição, mais de quatro mil mulheres foram beneficiadas no mundo todo. Clique no app abaixo:

Não se esqueça de seguir nosso podcast e interagir em nossas redes sociais:

Facebook
Instagram
LinkedIn
YouTube

Foto: Depositphotos