Você certamente já soube de alguém muito talentoso, que muito embora tenha tudo para realizar todo o seu potencial em sua carreira parece que tem algo que o impede de ir mais longe ou mais alto. Quem sabe até você mesmo já tenha experimentado ou esteja experimentando esta situação.

  • Por que trabalho mais que todos e não ganho o que julgo merecer?
  • Por que, apesar de ter mestrado, há anos não sou promovido?
  • Por que todo mundo fala que tenho muito potencial e eu mesmo não consigo perceber?
  • Por que, apesar de meu trabalho ser mais qualificado que o de muitos, ele não é assim reconhecido?

São perguntas que ouço com frequência em minhas mentorias.

A resposta para estes dilemas é uma só, simples e direta: -ninguém nos ensinou As 9 Leis Inegociáveis da Vida. Estas leis não foram inventadas, são leis da natureza, percebíveis por qualquer um de nós a partir de atenta observação, elas são inflexíveis, formam o “rio da vida”. Rio este que quando desconhecemos as Leis, nadamos contra a correnteza, então nossa vida fica pesada, realizamos menos do que podemos, e vemos nossas carreiras ficarem aquém do seu máximo potencial.

É impossível esgotar aqui o conteúdo percebido durante os meus 30 anos de estudos e manifestos nas mais de 200 páginas de meu livro – As 9 Leis Inegociáveis da Vida – mas sei que a estas alturas a curiosidade já está aguçada e você deve estar perguntando, quais são As 9 Leis. Pois bem aqui estão… Vida é movimento, Vida é presença, Vida é verdade, Vida é conexão, Vida é dor, Vida é concordância, Vida é conclusão, Vida é semeadura e Vida é servidão.

Ignoramos As Leis e, além disso, desde muito pequenos, fomos instados pela família, escola, sociedade, televisão, enfim, a acreditar que a fonte da nossa felicidade está fora. Instados a acreditar que só seremos felizes quando tivermos a nossa casa própria, nosso carro, reconhecimento, e tudo mais. Fomos então movidos a acreditar que quando fizermos tudo certinho, perfeito, sem erros, seremos felizes. Então finalmente acreditamos que a competência técnica resolverá todos nossos problemas, será o suficiente para sermos plenos.

Então nos tornamos seres domesticados, sim domesticados, adestrados para estudar muito, para fazer a coisa certa e ganhar alguma coisa no mundo externo, elogio, dinheiro, sucesso, fama. Até esse exato instante acreditamos que a felicidade só vai acontecer quando conquistarmos algo que está fora de nós mesmos.

E se pararmos para pensar, já conquistamos tantas e tantas coisas, como terminar o ensino médio, a faculdade, fizemos muitos cursos, progredimos na carreira, viagens … Mas sempre parece que falta algo!!!

E quando falta algo o que a gente faz? Quer conquistar mais e mais. E tudo isso tem um efeito reverso. O efeito é que se instala um vazio e nos desconectamos do nosso máximo potencial, da nossa força e poder.

Acreditamos que precisamos lutar pelo conforto do mundo externo e ele acaba nos incapacitando de lidar com a nossa força no mundo interno. Quanto mais lutamos pela felicidade que acreditamos que está apenas nas coisas do mundo externo, menos poder temos.

Sabe o motivo? Porque, na busca obsessiva pela capacitação técnica e pelas conquistas externas, terminamos por desrespeitar algumas das Leis da Vida como Vida é Verdade – quando deixamos de olhar para o nosso eu interior; Vida é Presença – quando ficamos apegados ao passado cheios de culpa pelo que não foi possível ou ansiosos pelo futuro sobre o qual não temos domínio; Vida é Dor – quando evitamos de passar por dores inevitáveis em nossa vida como o luto por exemplo.

Então ao desrespeitarmos estas Leis, mais distantes ficamos do nosso máximo potencial, da nossa fibra que vem da alma, da nossa força que vem do coração, da determinação que vem das entranhas… Ficamos com uma profunda sensação de vazio e passamos então a tentar preenchê-lo com toda sorte de “anestésicos” do mundo externo, bebidas demais, comidas demais, guloseimas demais, trabalho demais, jogos demais, televisão demais….

Mas como podemos sair dessa situação?

Primeiro concluindo com simplicidade que deste jeito já tentamos e deu no que deu. Este modo de viver já experimentamos uma vida toda e sabemos que o vazio só se amplia. Então devemos nos lembrar que não somos apenas um corpo, há em todos nós uma alma, um coração, uma amorosidade profunda, a espera de ser redescoberta, sentida e vivida.

Mas Como? Tendo a clareza de que a vida pesada que levamos é reflexo do autoconhecimento que não temos. E ao não nos conhecermos terminamos por descumprir as Leias da Vida, ao descumpri-las ficamos sem acessar o profundo da alma e da psiquê, finamente seremos meros fantoches de nossos sentimentos ocultos e dos pensamentos automáticos. Seremos uma nau a deriva em nossa própria vida, vivendo ao sabor dos ventos e das marés.

Ao conhecermos As 9 Leis Inegociáveis da Vida se torna viável então mergulharmos para dentro de nós mesmos, colocando-nos no caminho do autoconhecimento, aprendendo e se preparando para sentir tudo que vier (dor, medo, tristeza, raiva…), tudo que precisamos sentir na alma, quando finalmente encontraremos forças intrínsecas para lidar com a vida no mundo externo e finamente despertaremos para o nosso máximo potencial, para uma vida plena, abundante e próspera.

Carreiras aquém do seu máximo potencial

 

Por Marcel Scalcko, autor de “As 9 leis inegociáveis da vida – Leveza, realização e plenitude: desperte para a vida que você verdadeiramente nasceu para viver‘’, da editora Gente.